Bombeiros

Bombeiros voluntários sem receber despesas extraordinárias há quatro meses

Jaime Marta Soares disse que os bombeiros voluntários não recebem despesas extraordinárias relativas aos incêndios florestais há quatro meses. O MAI diz que vai resolvera a situação parcialmente.

Jaime Marta Soares diz que os bombeiros estão a viver "uma situação complexa e difícil"

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

As associações de bombeiros voluntários queixam-se de estar sem receber há quatro meses as despesas extraordinárias referentes aos incêndios florestais, uma situação que o Ministério da Administração Interna diz que vai resolver parcialmente nos próximos dias.

O alerta foi dado à agência Lusa pelo presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, avançando que a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) não paga, desde junho, às associações humanitárias de bombeiros voluntários as despesas extraordinárias dos incêndios florestais e previstas na diretiva financeira.

“Não foi pago o que está incluído na diretiva financeira desde junho”, lamentou Jaime Marta Soares, sublinhando que as corporações de bombeiros estão a viver “uma situação complexa e difícil”.

A diretiva financeira é um documento anual que fixa os princípios norteadores do pagamento das despesas resultantes das intervenções das corporações e permite apoiar os bombeiros na reparação e reposição de veículos e equipamentos, alimentação e combustível.

Segundo Jaime Marta Soares, em causa está todo o equipamento e material afetado pelos incêndios, além dos combustíveis e despesas com alimentação.

Numa resposta enviada à Lusa, o Ministério da Administração Interna (MAI) refere que o pagamento referente aos meses de julho e agosto, no valor de 6,4 milhões de euros, será efetuado nos próximos dias.

O MAI adianta também que estão em fase de apuramento final os montantes referentes aos meses de setembro e outubro, fazendo parte destas despesas extraordinárias a reposição e reparação de viaturas e equipamentos, refeições e salários perdidos.

A LBP deu também conta à Lusa que os bombeiros voluntários que fizeram parte das Equipas de Combate a Incêndios (ECIN) no âmbito do reforço do dispositivo em outubro ainda não receberam qualquer compensação.

Jaime Marta Soares exige que o pagamento seja efetuado o mais rapidamente, uma vez que as corporações de bombeiros não têm disponibilidade financeira para avançar com a compensação, tendo já contactado o secretário de Estado da Proteção Civil, Artur Tavares Neves.

Segundo a LBP, quase mil bombeiros voluntários integraram as ECIN, a partir de 9 de outubro, no âmbito do reforço do dispositivo de combate a incêndios.

Na resposta enviada à Lusa, o MAI refere que o pagamento das compensações às Equipas de Combate a Incêndios no mês de outubro, incluindo o dispositivo que estava previsto, os reforços e o prolongamento para a segunda quinzena de outubro, será efetuado nos próximos dias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site