Forças Armadas

Governo estuda novas fontes de financiamento para Ação Social das Forças Armadas

O Governo está à procura de novas fontes de financiamento para a Ação Social das Forças Armadas. O ministro da Defesa defende que, tal como está, a instituição "não é sustentável".

Azeredo Lopes disse que esta é uma ação conjunta dos ministérios das Finanças, da Defesa Nacional e da Saúde

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, anunciou esta sexta-feira que o Governo está a estudar novas fontes de financiamento para o Instituto de Ação Social das Forças Armadas, afirmando que a instituição, como está, “não é sustentável”.

“O IASFA tal como está não é sustentável e temos de enfrentar essa questão o mais depressa possível”, afirmou Azeredo Lopes, no debate na especialidade do Orçamento do Estado para 2018 para a área da Defesa, numa audição conjunta das comissões parlamentares de Finanças e Defesa Nacional.

O ministro adiantou que a questão “vai ser trabalhada conjuntamente com os ministérios das Finanças, da Defesa Nacional e da Saúde por forma a encontrar fontes de financiamento que não resultem apenas das contribuições dos utentes”.

Azeredo Lopes disse que a alteração ao modelo de financiamento do IASFA, que acumula um buraco financeiro de 65 milhões de euros, não vai “contender com os direitos dos utentes, que estão intocados”.

Contudo, advertiu, “uma instituição não pode funcionar em circunstâncias onde se antevê em termos anuais um passivo no mínimo de 12,7 milhões de euros”, num momento em que há mais “beneficiários do que contribuintes líquidos”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Força Aérea

Homenagens nas Forças Armadas

João José Brandão Ferreira

Uma homenagem alargada serviria ainda para “amenizar” um pouco o completo ostracismo a que a Instituição Militar foi votada pela classe política e pela maioria dos órgãos de comunicação social.

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site