Mundo

Rodrigo Duterte diz que esfaqueou uma pessoa até à morte aos 16 anos. “Só por um olhar”.

165

O Presidente das Filipinas diz que esfaqueou "uma pessoa real" até à morte como forma de promover a sua guerra contra as drogas, que já levou à morte de 100 mil pessoas.

"Um esfaqueamento. Só tinha 16 anos de idade. Foi só por um olhar", contou Rodrigo Duterte

HOANG DINH NAM/AFP/Getty Images

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, disse ter esfaqueado uma pessoa até à morte quando tinha 16 anos como forma de promover a sua guerra contra as drogas, que já fez mais de 100 mil mortos. Duterte falava para a comunidade filipina do Vietname, onde se encontra para participar na cimeira da Cooperação Económica Ásia-Pacífico (Apec).

Duterte revelou que quando era adolescente “tinha rixas aqui, rixas ali” e “entrava e saía da prisão”. “Com 16 anos de idade eu já tinha matado alguém”, disse. “Uma pessoa real, durante uma rixa. Um esfaqueamento. Só tinha 16 anos de idade. Foi só por um olhar”.

Um porta-voz do presidente das Filipinas disse que Duterte estava a “gracejar” quando fez as declarações e que o mesmo utilizava “linguagem colorida” quando se dirigia a comunidades de filipinos no estrangeiro. Noutras situações, membros do governo do presidente das Filipinas disseram que este “gosta de hipérbole” para justificar algumas das suas declarações.

A governação de Rodrigo Duterte tem estado marcada pelo combate implacável contra as drogas ilegais. Nestes 16 meses de governo, estima-se que a ‘guerra’ do presidente já tenha feito cerca de 100 mil mortos. A polícia filipina diz ter morto apenas 3.967 pessoas, e dados oficiais dizem que outras 2.290 pessoas morreram em crimes relacionados com a droga. As restantes mortes continuam sem explicação.

Presidente da Filipinas irá matar o filho se ele estiver envolvido nas drogas

Na mesma altura em que disse ter morto uma pessoa aos 16 anos, Duterte ameaçou dar uma bofetada à relatora das Nações Unidas para mortes extrajudiciais, Agnes Callamard, crítica do guerra contra as drogas, porque diz estar a ser “insultado”.

Rodrigo Duterte propôs ainda a organização de uma cimeira mundial para os direitos humanos com o propósito de analisar as violações de todos os países. “Vamos investigar as violações de direitos humanos cometidas por todos os países”, disse, referindo posteriormente a França, a Rússia e os Estados Unidos da América.

Na próxima semana, as Filipinas vão receber Donald Trump e outros líderes mundiais a propósito da cimeira da Associação de Nações do Sudeste Asiático. Trump congratulou Duterte pelo combate às drogas, dizendo-lhe por telefone que estava a fazer “um bom trabalho”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Panteão Nacional

O sacrossanto panteão de Santa Engrácia

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
112

Se a república é laica, porque se apropriou de uma antiga igreja católica para seu panteão nacional? O laicismo não é capaz de arranjar um espaço próprio, onde sepultar os seus próceres?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site