Web Summit

Marcelo Rebelo de Sousa: jantar no Panteão “nem que seja o mais importante de Estado”

3.297

O Presidente da República afirmou este sábado que se o governo vai proibir eventos no Panteão Nacional, essa decisão é "muito sensata e óbvia".

Nuno Fox/LUSA

O Presidente da República afirmou este sábado que o Panteão Nacional não é o espaço certo para a realização de um jantar como aquele que juntou convidados especiais da Web Summit, na sexta feira à noite.

“A imagem que eu tenho do Panteão Nacional não é a de ser o local adequado para um jantar nem que seja o jantar mais importante de Estado“, disse Marcelo Rebelo de Sousa. E continuou, mostrando estar de acordo com António Costa, que também este sábado comunicou a vontade de proibir a realização de eventos no Panteão:

Portanto, se o governo tomou uma decisão no sentido de isso deixar de ser possível acho que foi uma decisão muito sensata e óbvia, corresponde aqui que qualquer pessoa com algum bom senso faria.”

O comentário do Presidente foi feito após ter sido conhecido e confirmado que o Panteão Nacional acolheu de facto o jantar especial organizado a propósito do final da Web Summit, evento que se realizou em Lisboa entre os passados dias 6 e 9.

O Governo emitiu entretanto um comunicado, condenando a realização de tais eventos naquele local, que guarda os restos mortais de figuras importantes da história do país, descrevendo-a como “absolutamente indigna”.

“Soube agora mesmo do facto de ter havido, no quadro de uma utilização de um espaço que é monumento nacional o seu uso para um jantar, que é diferente de uma atividade cultural, é diferente de um concerto, de outra realidade dessa natureza” disse Marcelo Rebelo de Sousa na mesma declaração aos jornalistas, durante o Congresso Nacional de Estudantes de Medicina — CNEM 2017, na Reitoria da Universidade de Lisboa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Hospitais, novos e velhos

Fernando Leal da Costa

Vai haver verbas para rastreio do cancro. Magnífico. E os doentes dados como “positivos” vão ser investigados e tratados no mês seguinte? É que o número dos que esperam cirurgia não pára de aumentar.

Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site