Monumentos

Uso de museus e monumentos está regulado, prevê salvaguarda e tem tabela de preços

173

A utilização de museus, palácios e monumentos nacionais está sujeita a um regulamento aprovado em 2014, que inclui tabela de preços e prevê a salvaguarda "da dignidade".

OCTÁVIO PASSOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A utilização de museus, palácios e monumentos nacionais, com objetivos promocionais, de divulgação cultural, filmagens e outros, está sujeita a um regulamento aprovado em 2014, que inclui tabela de preços e prevê a salvaguarda “da dignidade” destes locais.

O Regulamento de Utilização de Espaços nos serviços dependentes da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), cuja revisão foi anunciada este sábado pelo Governo, na sequência de informações sobre a realização de um jantar para convidados da Web Summit no Panteão Nacional, foi aprovado pelo despacho n.º 8356, de 27 de junho de 2014, enquadrando a possibilidade de realização de outras atividades, além das visitas habituais, desde que “compatíveis com os seus valores histórico/patrimoniais”.

“Todas as atividades e eventos a desenvolver terão de respeitar o posicionamento associado ao prestígio histórico e cultural do espaço cedido”, segundo o regulamento, que desde logo rejeita “os pedidos de caráter político ou sindical” e aqueles que “colidam com a dignidade dos monumentos, museus e palácios ou que perturbem o acesso e circuito de visitantes”.

Cabe à DGPC, de acordo com o diploma, decidir, após parecer dos serviços dependentes, “da oportunidade e interesse da cedência, bem como das respetivas condições a aplicar”.

No caso do Panteão Nacional, a lista dos “eventos permitidos”, disponível no sítio ‘online’ da DGPC ao início da tarde de hoje, incluía, entre outros atos solenes e de caráter cultural, banquetes e receções.

O Governo classificou hoje a utilização do Panteão Nacional para eventos festivos como “absolutamente indigna”, e disse que vai proceder à alteração da lei “para que situações semelhantes não voltem a repetir-se, violando a história, a memória coletiva e os símbolos nacionais”.

Segundo o comunicado do Ministério da Cultura, hoje divulgado, o despacho será revisto no sentido de proibir “a realização de eventos de natureza festiva no Corpo Central do Panteão Nacional”.

O regulamento em vigor desde 2014 abrange espaços de 23 instituições da DGPC (quatro conventos/mosteiros, uma casa-museu, 14 museus nacionais, dois palácios, a Torre de Belém e o Panteão Nacional), e estabelece os preços de aluguer destes locais, sendo o mais elevado (40.000 euros) o dos claustros do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa.

Para o Panteão Nacional, os preços oscilam entre os 5.000 euros, por evento, no corpo central do edifício – sob a cúpula -, para fins comerciais, e os 1.500 euros da cedência do adro, para um acontecimento cultural.

No caso de jantares, o preço da tabela varia entre os 3.000 euros, no corpo central, e os 1.500, no coro alto do Panteão.

O Panteão tem também disponíveis a sala sul e o terraço, com preços entre os 750 euros (eventos culturais na sala sul) e os 5.000 euros (evento comercial no terraço).

O valor mais baixo na tabela do regulamento é de 50 euros, pela utilização da sala de formação ou pelo laboratório do Museu Monográfico de Conímbriga.

O despacho inclui ainda os preçários de utilização dos museus da Música, de Arte Popular, do Chiado, de Arqueologia, de Arte Antiga, de Etnologia, Azulejo, Traje, Teatro e Dança, Coches, da Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves e do Palácio da Ajuda, em Lisboa, e dos museus Machado de Castro, em Coimbra, Grão Vasco, em Viseu, e Soares dos Reis, no Porto, do Convento de Cristo, em Tomar, dos mosteiros de Alcobaça e da Batalha, e do Palácio Nacional de Mafra.

No passado mês de maio, o Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, acolheu o VExpo 2017 — Salão Internacional do Veículo Elétrico, Híbrido e da Mobilidade Inteligente, com automóveis no meio da exposição permanente.

Na altura, o presidente do Conselho Internacional de Museus — ICOM Europa, Luís Raposo, entre outras personalidades do setor, considerou “altamente imprópria” a apresentação de automóveis junto de viaturas históricas, numa exposição comercial.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site