Professores

Professores. Greve e protestos podem estender-se a 2018

Sindicatos de professores estão mobilizados contra o governo por não contabilizar quase uma década de trabalho. Greve já está e, marcha e vários serviços e protestos podem continuar no próximo ano.

MARIO CRUZ/LUSA

“A maior greve da década”: esta é a promessa da Federação Nacional dos Professors (Fenprof) para a paralisação que tem agendada para amanhã, quarta-feira, em todo o país.

Na origem dos protestos está a desresponsabilização do governo em relação às progressões das carreiras, acusa a entidade sindical. E, por isso, estão dispostos a alargar o protesto a 2018, podendo atingir momentos delicados do ano letivo, como “as avaliações” do primeiro período, avança hoje o Diário de Notícias.

Os protestos, aliás, já se fazem sentir desde a semana passada com várias escolas a fazerem greve a tarefas “letivas” que o ministério não reconhece como tal e ao primeiro tempo de aulas, decisão que tencionam manter até ao final do primeiro período escolar.

Greve de professores à primeira hora de aulas afeta escolas e rendimento dos alunos

As diferentes organizações sindicais de professores estão alinhadas nos protestos e esperam que termine o impasse em relação à contagem do tempo de serviço dos professores, tendo em vista o descongelamento das carreiras da administração pública em 2018. Os sindicatos não aceitam o cenário em avaliação, por não ser considerada a totalidade do tempo de serviço dos docentes cuja progressão está interrompida há uma década. “Estamos 100% disponíveis para um faseamento [das progressões]”, explicou Mário Nogueira ao DN. “Mas estamos totalmente indisponíveis para fazer uma recuperação parcial.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Professores

Insustentável

Alexandre Homem Cristo
286

O descongelamento de carreiras dos professores pode vir a ser concretizável. Mas tem um preço: vai adiar reformas, vai sacrificar o desenvolvimento de programas educativos, vai fazer do sistema refém.

Universidades

Injustiça, iniquidade, inânia, e interior

António Fidalgo
319

Lisboa não é zona de convergência, mas acaba de receber, efectivamente, mais dinheiro de fundos comunitários que qualquer zona do Interior. Iniquidade é o que é. Chamem-se os bois pelos nomes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site