Catalunha

Rajoy promete trabalhar para independentistas catalães perderem eleições

Mariano Rajoy, afirmou que vai trabalhar para que independentistas catalães percam as eleições regionais de 21 de dezembro próximo, tendo apelado a uma participação "massiva" na consulta.

Mariano Rajoy numa conferência de imprensa.

NACHO GALLEGO/EPA

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, afirmou esta terça-feira que vai trabalhar para que os independentistas catalães percam as eleições regionais de 21 de dezembro próximo, tendo apelado a uma participação “massiva” na consulta.

Nós vamos trabalhar para que os movimentos independentistas não ganhem” as eleições, disse Rajoy numa entrevista na rádio espanhola COPE, numa altura em que os partidos políticos da Catalunha estão a preparar as suas listas eleitorais.

Esta consulta popular foi convocada pelo chefe do Governo espanhol em 27 de outubro passado, no mesmo dia em que decidiu dissolver o parlamento da Catalunha e destituir o executivo regional presidido por Carles Puigdemont.

Mariano Rajoy voltou a lançar “um apelo à participação massiva” dos eleitores, para que os partidos constitucionalistas, favoráveis à unidade de Espanha, possam ganhar essa consulta eleitoral. Os partidos separatistas ganharam as eleições regionais em 2015, o que lhes permitiu formar um governo que organizou um referendo de autodeterminação em 1 de outubro último que foi considerado ilegal pelo Estado espanhol.

Mariano Rajoy explicou que as eleições de 21 de dezembro foram organizadas para permitir “interromper a aplicação” do artigo 155.º da Constituição espanhola que permitiu a intervenção do Governo central na região. Oito dos 14 membros do governo catalão destituído estão detidos provisoriamente, enquanto estão a ser investigados por alegado delito de rebelião, sedição e peculato.

O presidente do governo catalão demitido, Carles Puigdemont, está ausente em Bruxelas com outros três membros do seu executivo e irá apresentar-se às eleições como cabeça da lista ‘Juntos pela Catalunha’, que pretende que seja mais abrangente do que o seu Partido Democrático Europeu da Catalunha (PDeCAT).

Rajoy recordou que todos os anteriores dirigentes catalães, mesmo os detidos, “podem apresentar-se às eleições, visto não terem sido considerados inelegíveis” pela justiça, apesar de terem sido “inabilitados politicamente” por terem “enganado os cidadãos catalães”. O chefe do Governo espanhol considerou que a previsão de crescimento económico de Espanha em 2018, reduzida para 2,3%, pode subir para 3,0% se a situação se normalizar na Catalunha.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Função Pública

Os bons alunos

Maria João Avillez
286

A plateia do país percebeu muito bem que não fora o insignificante resultado eleitoral do PC e Jerónimo não cuidaria hoje com tanto afã e tamanho zelo da função pública.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site