Incêndios

Seia teve prejuízos superiores a 10 milhões de euros nos incêndios

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de outubro no concelho de Seia, no distrito da Guarda, são superiores a 10 milhões de euros.

Um bombeiro no combate ao incêndio de Seia.

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de outubro no concelho de Seia, no distrito da Guarda, são superiores a 10 milhões de euros, segundo o último levantamento da Câmara Municipal.

A autarquia de Seia, presidida por Carlos Filipe Camelo, refere, em nota enviada esta terça-feira à agência Lusa, que o valor superior a 10 milhões de euros “não consubstancia todos os danos de pessoas e bens, nem os estragos incalculáveis nas áreas agrícola e florestal”.

De acordo com a nota, os dados que foram apresentados pelo presidente da autarquia na última reunião do executivo, realizada na sexta-feira, indicam que, apesar de o concelho de Seia não ter sido o mais afetado, “os trágicos incêndios consumiram mais de 18.500 hectares” de área, deixando no território “danos materiais sem paralelo”.

“Só no setor económico contabilizam-se perdas superiores a quatro milhões de euros, montante que não reflete a totalidade das 42 empresas afetadas, muitas delas privadas do exercício da sua atividade”, é apontado. Ao nível das infraestruturas e de equipamentos municipais, “o inventário apurado até ao momento prevê prejuízos de dois milhões e 64 mil euros”, acrescenta a fonte.

O município de Seia calcula que só na reparação das 22 estradas municipais afetadas terá de “despender mais de um milhão e quatrocentos mil euros, valor que não representa os estragos na sinalética, estimados em 464 mil euros”.

O levantamento também aponta para danos nos sistemas de distribuição pública de água e de equipamento complementar urbano, com prejuízos na ordem dos 170 mil euros. “Os prejuízos sofridos por particulares também são muito significativos”, segundo o autarca.

Carlos Filipe Camelo referiu na última reunião do executivo municipal de Seia que o relatório “contabiliza 130 habitações afetadas pelos fogos, 73 de residência permanente e 56 de segunda habitação”, estimando que os estragos ultrapassem os quatro milhões de euros, pelo elevado número de casas que ficaram completamente destruídas (35 de primeira habitação e 43 de segunda).

Em situações em que as condições de habitabilidade se prendem com a realização de pequenas intervenções, a Câmara Municipal de Seia, em conjunto com empresas locais, tem procedido à entrega de algum material de construção civil (tinta, cimento, areia, blocos, etc.), “que permitirá aos proprietários executarem pequenas reparações nas habitações e nos edifícios de apoio”.

Carlos Filipe Camelo considera que a “restauração do bem-estar” das pessoas afetadas pelos incêndios “é prioritária”. Por isso, em sua opinião, é “urgente que os apoios anunciados pela Administração Central se materializem o quanto antes, como já aconteceu para o setor económico, com a publicação do Sistema de Apoio à Reposição da Competitividade e Capacidades Produtiva”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site