António Costa

António Costa escusa-se a comentar “assuntos da vida interna de Angola”

António Costa não comenta aquilo que diz serem "assuntos da vida de interna de Angola". O primeiro-ministro considera a cimeira UE-África uma boa oportunidade para falar com João Lourenço.

JONAS EKSTROEMER/EPA

O primeiro-ministro, António Costa, escusou-se esta quinta-feira, em Gotemburgo, a comentar “assuntos da vida interna de Angola”, mas admitiu que a cimeira UE-África na Costa do Marfim constituirá “uma excelente oportunidade” para falar com o Presidente angolano, João Lourenço.

“São assuntos da vida interna de Angola. Não vou estar aqui a tratar de matérias que são da estrita competência interna e da vida interna de Angola, que é um país independente, um Estado soberano e de que somos amigos e irmãos”, respondeu, quando questionado pelos jornalistas sobre a situação naquele país, designadamente as alterações feitas pelo novo Presidente na gestão de empresas públicas angolanas, que incluíram a retirada da Sonangol e do canal público de televisão dos filhos do seu antecessor, José Eduardo dos Santos.

António Costa, que falava à saída de uma “cimeira social” de líderes da União Europeia, na Suécia, ao ser questionado sobre se tem previsto falar com João Lourenço em Abidjan, a 29 e 30 de novembro, por ocasião da cimeira UE-África, disse ser natural que assim aconteça, dado ambos participarem na reunião, e recordou que “não seria a primeira vez”.

“Se surgir essa oportunidade será excelente. Não seria a primeira vez: ainda há muito pouco tempo tive oportunidade de o receber enquanto secretário-geral do PS na sede do Partido Socialista, no Largo do Rato, temos mantido contactos e, portanto, seguramente em Abidjan será uma excelente oportunidade para falarmos”, declarou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ribeiro e Castro

O apagamento da história e o futuro do CDS

Abel Matos Santos

Agora que o PSD escolheu Rui Rio, defensor da eutanásia, o CDS só poderá afirmar-se e ganhar espaço se deixar o pragmatismo envergonhado que o separa da afirmação plena da razão para o qual foi criado

Rui Rio

O líder da oposição

Maria João Avillez
102

Se o PSD fizer escolhas mais adequadas à nossa realidade e às suas circunstâncias em vez de alinhar na semi-ficção do país das maravilhas onde garantem que vivemos já estará a ser diferente. E melhor.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site