Lojas

Patrick de Pádua Store: “streetwear” portuguesa numa loja em Lisboa

174

É moda para homens, mas não só. Patrick de Pádua abre a primeira loja em Lisboa e junta o melhor de dois mundos: a personalidade forte da "streetwear" e a sofisticação da moda de autor.

Estreou-se na plataforma Sangue Novo da ModaLisboa em março de 2014 e mais de três anos depois abre a primeira loja própria. Coleção após coleção, Patrick de Pádua cantou o fado, deu o corpo às balas, uniu roupa e joalharia e entrou em campo com peças inspiradas em equipamentos desportivos. Tudo isso fica agora mais à mão de semear. Na nova loja, com inauguração marcada para esta quinta-feira ao fim da tarde, o designer de 29 anos sobe uns quantos degraus naquele que é curso natural de uma marca de moda de autor.

Na Alameda, em Lisboa, a nova loja (com o atelier na porta ao lado) foi um trabalho a quatro mãos. Patrick e o pai fizeram-se mestres de obras, pintaram, pavimentaram, penduraram candeeiros (desde já merecedores de toda a inveja que vão certamente despertar), montaram expositores e deixaram o espaço com o estilo industrial que convém às coleções do criador. Sim, porque apesar de pequena a Patrick de Pádua Store é uma viagem pelas criações do designer, a começar no inverno de 2017, que está em maioria, percorrendo as estações anteriores, até chegar ao tentador charriot de stock off (a segunda grande tentação a seguir aos candeeiros). Junto aos vidros que escancaram a loja para a rua há ainda espaço para um cheirinho do que será o próximo verão.

A 24 horas de inaugurar a loja, Patrick de Pádua fez um intervalo nos preparativos e posou para a fotografia © André Carrilho/Observador

Depois de ter vendido algumas das suas peças em espaços multimarca, Patrick prepara-se para uma nova fase, aquela em que vai estar cara a cara com os seus clientes e conhecer o público que conquistou desde que se lançou em nome próprio. “Tem sido uma relação distante. Até hoje nunca soube muito bem quem é o meu público, quem é que está a comprar. Isso dificulta um bocado o trabalho, mas agora vou ter mais noção disso”, afirma o designer de moda.

Patrick e a pequena estrutura por de trás da sua marca são um exemplo de que a moda de autor não tem de custar os olhos da cara. A produção passa toda pelas mãos de duas costureiras e muitas das peças à venda na nova loja são exemplares únicos devido às pequenas quantidades de tecidos e estampados com que a marca trabalha. O que para muitos poderia ser um contra, o criador reverte a seu favor. Fala de peças únicas numa loja onde o preço médio não chega aos 200€.

“As pessoas estão um bocado cansadas de andarem todas vestidas de igual, de irem todas à mesma loja. Não se importam de dar mais 20€ ou 30€ para terem uma peça diferente”, confessa. Bombers com aplicações de pelo, cruzes de metal e restos de cartuchos, casacos com toque militar, macacões e materiais semi-transparentes — peças diferentes é com Patrick de Pádua, se bem que o designer é o primeiro a admitir que anda a piscar o olho a uma vertente mais comercial. Apostar nos básicos e abrandar a produção de peças mais exuberantes faz parte da estratégia para a nova loja. “Tudo é um investimento e convém recuperá-lo. Estar a fazer peças extravagantes para ficarem no armário não vale a pena”, completa.

Nos bastidores do desfile de Patrick de Pádua na ModaLisboa, em outubro. O criador apresentou a coleção do próximo verão © David Velez

Quanto ao público-alvo, Patrick relembra que este menswear não é assim tão linear. A primeira coleção foi toda comprada por mulheres e na última edição da ModaLisboa o designer juntou manequins femininas ao alinhamento do desfile. A roupa era toda de homem, se bem que as silhuetas oversized continuam a chamar o mulherio. Com a loja, esperemos que assim continue, até porque isto de separar a roupa por géneros tem os dias contados, ah se tem.

Nome: Patrick de Pádua Store
Morada: Rua Actor Vale, 32C
Horário: De segunda a sexta, das 10h às 13h e das 14h30 às 19h30, e sábado das 10h às 13h e das 14h às 19h

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Família

Bons pais fazem asneiras de 8h em 8h

Laurinda Alves
524

Acrescentar a família com mais filhos sim, mas sem pensar demais, sem perder muito tempo, para não perder também a oportunidade e, sobretudo, para não ceder a argumentos acessórios, longe do essencial

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site