Buracos negros

Descoberto um buraco negro com 800 milhões de vezes a massa do Sol

117

É grande, é antigo e é distante. O buraco negro supermassivo da infância do universo bate recordes.

Robin Dienel, courtesy of the Carnegie Institution for Science

O buraco negro mais antigo e mais distante de que há registo foi descoberto pela equipa de Eduardo Bañados, investigador no Instituto de Ciência Carnegie, nos Estados Unidos, e publicado esta quarta-feira na revista científica Nature.

Os investigadores estudavam quasares — os objetos, não passageiros, mais brilhantes no espaço — à procura de explicação sobre os primeiro momentos do universo quando encontraram o quasar ULAS J1342+0928. Este é o quasar mais distante alguma vez encontrado e tem, associado a ele, um buraco negro supermassivo — com 800 milhões de vezes a massa do Sol.

Estima-se que este quasar seja da altura em que universo tinha 690 milhões de anos – cerca de 5% da idade atual. O que reforça a ideia de que os buracos negros supermassivos – com mais de 100 mil vezes o tamanho do Sol – terão surgido durante a infância do universo.

Conseguir reunir toda esta massa em menos de 690 milhões de anos é um desafio enorme para as teorias sobre o crescimento de buracos negros supermassivos”, disse Eduardo Bañados, num comunicado de imprensa da instituição.

Depois do Big Bang, o universo era uma sopa quente, de partículas carregadas de energia que viajavam e se expandiam rapidamente. À medida que o universo se foi expandindo, também foi arrefecendo. Ao fim de cerca de 400 mil anos — muito pouco tempo em termos cosmológicos —, as partículas que foram arrefecendo, foram-se agregando numa nuvem neutra de gás de hidrogénio.

O universo permaneceu escuro até que houve condensação suficiente das partículas para se formarem as primeiras estrelas e galáxias. À medida que se formavam estas galáxias, a nuvem de gás neutra foi sendo excitada e ionizada — ou seja, o hidrogénio foi perdendo os electrões. Entrava-se numa nova fase, com o universo reionizado, em que a luz podia viajar. Logo, o universo tornou-se luminoso.

O que os investigadores verificaram é que o quasar agora detetado ainda tem uma nuvem neutra de gás a envolvê-lo, podendo estar aqui a resposta para como o hidrogénio foi ionizado, nesta nova fase do universo.

Foi a última grande transição do universo e uma das fronteiras atuais da astrofísica”, refere Eduardo Bañados.

É exatamente pela análise da luz que os investigadores detetam os quasares. A luz do ULAS J1342+0928 demorou 13 mil milhões de anos a chegar até nós. Esta revelação é de particular importância uma vez que se estima que existam apenas entre 20 a 100 quasars tão brilhantes e tão distantes como o que agora foi descoberto. Até agora, apenas um quasar muito distante tinha sido descoberto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Brexit

Quem disse que sair da Europa era fácil?

Diana Soller

Esperemos que o executivo britânico se reorganize depressa. Ainda que o divórcio tenha tido até agora pouco de litigioso, uma das partes põe paus na engrenagem. E nas separações todo o cuidado é pouco

Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site