Alpine

O Alpine A110 afinal é mesmo eficaz e divertido

Depois de muita espera, eis que finalmente o Alpine A110 começou a ser apresentado à imprensa mundial. E, a avaliar pelos primeiros vídeos, parece ser mesmo tão eficaz e divertido quanto o prometido.

Autor
  • Alfredo Lavrador

Segundo a Alpine, o A110 foi desenvolvido a pensar no Cayman, não para se bater de igual no preço, mas sim para se assumir como um francês capaz de fazer a vida negra ao rival alemão no que respeita às acelerações, comportamento eficaz e prazer de condução, mesmo quando se ultrapassam os limites da física e do bom-senso.

Os primeiros órgãos de informação já tiveram ocasião de testar o coupé da Alpine, marca jovem que, apesar de se ter emancipado, continua a pertencer ao universo Renault. E as conclusões não podiam ser melhores. Com pouco peso e uma potência que não assusta ninguém, o desportivo revela-se extremamente equilibrado e previsível, o que significa que qualquer condutor pode “apertar” com ele, sem ter necessariamente de visitar de imediato a oficina e, mais do que isso, o bate-chapas.

Com o peso bem distribuído pelos dois eixos, com o motor colocado em posição central e um chassi e carroçaria em alumínio, para colocar o peso em redor dos 1.178 kg, o A110 retira 252 cv do seu motor com 1,8 litros, mais pequeno portanto do que a concorrência, mas faz figura de “forte” devido ao peso-pluma do desportivo. A prova são os 250 km/h de velocidade máxima, os 0-100 km/h em somente 4,5 segundos e um consumo médio de apenas 6,2 litros.

Mas atenção, nem tudo é bom. Por exemplo, não se sabe ainda quando chegará a Portugal, nem por que preço. Até lá ficamos com o vídeo de quem já teve a ocasião de conduzir o sucessor do A110 que venceu aquele que pode ser considerado o primeiro Campeonato do Mundo de Ralis, em 1973.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Quem disse que sair da Europa era fácil?

Diana Soller

Esperemos que o executivo britânico se reorganize depressa. Ainda que o divórcio tenha tido até agora pouco de litigioso, uma das partes põe paus na engrenagem. E nas separações todo o cuidado é pouco

Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site