Vieira da Silva

Ministro da Segurança Social e Solidariedade é ouvido esta segunda-feira na Assembleia

122

O ministro do Trabalho, Segurança Social e Solidariedade é ouvido esta segunda-feira na Assembleia da República. Em causa está o seu envolvimento no caso Raríssimas.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O ministro do Trabalho, Segurança Social e Solidariedade, Vieira da Silva, vai ser ouvido esta segunda-feira no parlamento sobre o caso Raríssimas.

A comissão de Trabalho e Segurança Social aprovou na quarta-feira por unanimidade um requerimento do PS para que o ministro Vieira da Silva preste esclarecimentos sobre o caso relativo a suspeitas de gestão danosa na Associação Raríssimas.

Na quinta-feira, a audição acabou por ficar marcada para esta segunda-feira às 15.30.

O PSD tinha exigido ouvir as explicações de Vieira da Silva no parlamento sobre o caso Raríssimas até sexta-feira passada, considerando que o Governo não deveria ir de fim de semana “deixando este manto de suspeição avolumar-se”.

Vieira da Silva foi vice-presidente da assembleia-geral da Raríssimas entre 2013 e 2015, função no âmbito da qual aprovou as contas da associação.

O ministro pediu, entretanto, uma auditoria às contas da Raríssimas para verificar “se do lado do Estado houve alguma fragilidade”.

Uma reportagem divulgada a 9 de dezembro pela TVI deu conta de alegadas irregularidades nas contas da Raríssimas, tendo apresentado documentos que colocam a agora ex-presidente da associação, Paula Brito e Costa, como suspeita de utilizar fundos da Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) para fins pessoais.

Entre as irregularidades apontadas, conta-se a compra de vestidos de alta costura, de bens alimentares caros e o pagamento de deslocações, apesar de ter um carro de alta gama pago pela Raríssimas. Além disso Paula Brito e Costa terá também beneficiado de um salário de três mil euros, de 1.300 euros em ajudas de custos e de um Plano Poupança Reforma que rondava os 800 euros mensais.

A TVI avançou ainda que o agora ex-secretário de Estado da Saúde Manuel Delgado colaborou com a associação como consultor em 2013 e 2015.

Na terça-feira passada tanto Paula Brito e Costa como Manuel Delgado apresentaram a demissão dos cargos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Salvar o SNS

Fernando Leal da Costa

A proposta de lei de António Arnaut e João Semedo cristaliza o financiamento do SNS e do direito à proteção de saúde num modelo que já está falido e não consegue deixar de ser sub-financiado.

Governo

Uma semana no recreio

Helena Matos
252

O Governo proíbe as crianças-pais de comerem queques nos hospitais, já a PSP faz comunicados explicando às crianças-filhos que não devem engolir cápsulas de detergente. Estamos no país-recreio.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site