Elétricos

Pai Natal aderiu ao carro eléctrico. Polui menos que as renas

Depois de anos ao serviço, adeus renas! Para reduzir a pegada ambiental, e os custos que implica visitar as casas de todas as crianças por esse mundo fora, o Pai Natal comprou um automóvel eléctrico.

Autor
  • Alfredo Lavrador

O Pai Natal, preocupado com o ambiente ou desejoso de cortar nos custos, que implica visitar as casas de todas as crianças por esse mundo fora, trocou as renas por um carro eléctrico. O caso teve lugar no Reino Unido e logo numa fase em que muitos pensavam que o sentido de humor tinha abandonado os ingleses, a braços com as consequências do Brexit. Sucede que o Pai Natal, de acordo com a rede local da Renault, entrou num dos seus concessionários em busca de um veículo que se revelasse mais barato e mais amigo do ambiente. Entre outras vantagens, tudo resultante da troca da tracção animal pela eléctrica.

Ao que parece, o simpático senhor das barbas brancas, que alegra o Natal da pequenada, percorre cerca de 1.320 quilómetros para ir de Londres a Cardiff, passando por Cannock e Manchester, tudo para entregar cerca de 1.000 caixas de chocolate. De acordo com a marca francesa, as nove renas que puxam o trenó durante quatro dias geram cerca de 60 kg de CO2 e consomem 112 cenouras por quilómetro. Parece pouco, mas isto atira os custos de deslocação para 7,5 euros por quilómetro, só em legumes. Perdão, combustível.

Ora se o Pai Natal trocasse a bicharada pelo Zoe, que não liberta CO2 – caso a electricidade seja produzida de forma sustentável – e gasta apenas 14 cêntimos por quilómetro, seria uma vantagem a toda a prova. Pelo menos, assim acham os britânicos…

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote no primeiro concurso em Portugal dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carroVote agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site