Infraestruturas

Nacala Holdings compra 100% do grupo Opway

A Nacala Holdings comprou a totalidade do grupo Opway, passando agora "a reunir ao nível das infraestruturas a capacidade técnica e operacional para executar todo o tipo de obra de engenharia".

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A Nacala Holdings, liderada por dois antigos gestores da Mota-Engil, anunciou que comprou esta quinta-feira a totalidade do grupo Opway, por um valor que não foi revelado.

Com esta aquisição, a Nacala Holdings, que em setembro deste ano concluiu a compra do Grupo Elevo ao Fundo Vallis, passa a reunir ao nível das infraestruturas a capacidade técnica e operacional para executar todo o tipo de obra de engenharia, em qualquer parte do globo”, refere um comunicado da Nacala Holdings.

O grupo Opway foi criado em 2008, na sequência da compra da SOPOL pela OPCA, enquanto o Grupo Elevo surgiu da fusão, iniciada em 2012, das construtoras Edifer, Monte Adriano, Hagen e Eusébios.

“O grupo Opway tem no seu portfólio obras em Portugal, Espanha, Alemanha, Argélia, Cabo Verde, Angola, Moçambique, República do Congo e Colômbia, ao passo que o Grupo Elevo, também detido pela Nacala Holdings, está presente em 18 países”, refere a Nacala Holdings, liderada por Gilberto Rodrigues.

A Nacala Holdings assume desta forma a sua vocação global em todos os ramos da engenharia e construção e entra em 2018 com novas sinergias, competências e valências, mas também novas responsabilidades, na certeza de que o grupo está agora mais forte e capaz de responder às exigências e desafios do mercado”, adianta a empresa.

A Lusa questionou a Nacala sobre os valores envolvidos na operação, mas a empresa não os revelou. A Nacala Holdings foi assessorada neste processo pela sociedade de advogados FCB.

A empresa “manifesta o seu apreço pela forma como a anterior gestão da Opway sempre agiu, quer na defesa dos interesses da empresa e dos seus quadros, quer na salvaguarda da imagem de credibilidade do grupo”, conclui a Nacala.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alimentação

A gula do sr. ministro

José Miguel Pinto dos Santos

Se a “alimentação saudável” é objetivo prioritário do Estado, porque é a medida restrita aos hospitais? Porque não proporcionar as suas vantagens também a todo o funcionalismo público e aos deputados?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site