Taça CTT

Quando Acuña sai da esquerda torna-se um tipo às direitas (a crónica do Belenenses-Sporting)

Empate no Restelo (1-1) deu ao Sporting o passaporte para a Final Four da Taça da Liga antes de voar para o dérbi na Luz com o Benfica (dia 3). Acuña foi o homem em destaque... um pouco por tudo.

Acuña comemora com Piccini o regresso aos golos dois meses depois num jogo onde foi o melhor leão em campo

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Acuña chegou ao Sporting durante o estágio dos leões no estrangeiro como a segunda contratação mais cara de sempre do clube e não demorou a adaptar-se, assumindo rapidamente lugar nas opções iniciais de Jorge Jesus. Marcou, fez assistências e funcionou sempre como um jogador de equilíbrios, aquele típico ala que o técnico gosta, capaz de jogar por dentro ou compensar as subidas do lateral. Para isso contribuiu a empatia com Coentrão, com a curiosidade de haver um registo muito melhor em termos defensivos com ambos em campo.

Por defeito, e assim as condições físicas permitam, esta é a ala esquerda do Sporting. A mesma que esteve em destaque aos 58′ no Restelo, pela negativa: no seguimento de um ataque do Belenenses onde houve uma clara descoordenação entre ambos sobre quem ficava com o homem da bola, Coentrão e Acuña pegaram-se e foi William Carvalho a separar os dois jogadores leoninos num momento com os ânimos mais quentes. Aos 72′, Coentrão, por precaução, deu o lugar a Bruno César e saiu diretamente para os balneários; aos 74′, Acuña, de pé direito, arrancou uma bomba que desviou ainda num defesa dos visitados e inaugurou o marcador. No final, com um autogolo de Coates pelo meio (76′), foi esse remate que decidiu a passagem à Final Four da Taça da Liga.

Mais de duas décadas depois, o Sporting vira a época desportiva sem uma única derrota em termos nacionais e, sete anos depois, volta a dobrar o ano civil ainda na Taça de Portugal, na Taça da Liga e nas provas europeias. Apesar de não ter sido propriamente um jogo fácil, os leões passaram com o mínimo necessário no Restelo. E partem para o dérbi na Luz motivados com a atual campanha. Com Coentrão e Acuña? Logo se verá…

Ficha de jogo

Belenenses-Sporting, 1-1

3.ª jornada do grupo B da Taça da Liga

Estádio do Restelo, em Lisboa

Árbitro: João Pinheiro (AF Braga)

Belenenses: Filipe Mendes; Pereirinha, Gonçalo Silva, Nuno Tomás, Florent; Yebda, André Sousa; Diogo Viana (Tiago Caeiro, 71′), Benny (Filipe Chaby, 58′), Fredy (Roni, 79′) e Maurides

Suplentes não utilizados: Ricardo Fernandes, Persson, Miguel Rosa e Cleiton

Treinador: Domingos Paciência

Sporting: Rui Patrício; Piccini, Coates, Mathieu, Fábio Coentrão (Bruno César, 72′); William Carvalho, Battaglia; Podence (Gelson Martins, 57′), Bruno Fernandes (Bryan Ruíz, 90+2′), Acuña e Bas Dost

Suplentes não utilizados: Salin, André Pinto, João Palhinha e Doumbia

Treinador: Jorge Jesus

Golos: Acuña (74′) e Coates (76′, p.b.)

Ação disciplinar: cartão amarelo a André Sousa (73′) e Roni (90′)

Jorge Jesus não facilitou na equipa inicial apresentada no Restelo, deixando apenas no banco Gelson Martins em relação aos habituais titulares e porque treinou condicionado grande parte da semana (entrou Battaglia, subiu no terreno Bruno Fernandes, passou Podence para a direita explorando sempre que possível o jogo interior), mas não foi por isso que o Sporting apresentou o rendimento habitual nos primeiros 45 minutos. Longe disso.

Com um bloco médio/baixo sem posse, foi o Belenenses que começou a destacar-se (sem qualquer oportunidade de perigo, sublinhe-se) pela facilidade com que conseguia meter bola entre linhas já no último terço (Benny, uma das boas surpresas do conjunto de Domingos Paciência esta temporada, era o maior agitador nessa fase prematura do encontro). No entanto, o primeiro remate acabou por pertencer a Acuña, a surgir em terrenos interiores para arriscar a meia distância de fora da área que Filipe Mendes desviou bem para canto (13′).

Os visitados tinham duas grandes virtudes: por um lado, a forma como conseguiam condicionar as fases de construção dos leões, nomeadamente William Carvalho (à frente dos centrais) e Bruno Fernandes (nas zonas entre linhas nas costas de Dost); por outro, a boa fluência do jogo exterior, sobretudo pela ala direita made in Academia com Bruno Pereirinha e Diogo Viana. A isso acresciam dois pecados dos leões: a falta de intensidade de alguns jogadores que permitia ao adversário ganhar grande parte das segundas bolas e a forma como deixavam partir o jogo e eram apanhados em situações de igualdade numérica em transições defensivas.

Fredy, aos 34′, fez o único remate dos azuis do Restelo na primeira parte (de ressaca, ao lado e sem perigo), ao passo que o Sporting ameaçou a baliza do Belenenses por três ocasiões de fora da área (Battaglia, aos 32′, e Acuña, aos 39′ e aos 45′). Pouco, pouquinho, numa primeira parte onde não se viu quase nada de futebol e não foi pelo nevoeiro que caiu de forma rápida nesta zona da cidade de Lisboa e chegou a parecer ameaçar a visibilidade mínima.

O segundo tempo começou praticamente com uma perdida escandalosa que viria a marcar o resto do encontro: cruzamento da direita de Fredy para Maurides que, isolado e em posição frontal na área, encostou por cima (49′). Era o aviso mais sério ao Sporting, que tinha a passagem às meias-finais presa apenas por um golo de vantagem. E foi o toque que acordou ambos os conjuntos para 45 minutos mais movimentados e interessantes.

Battaglia, com um remate à entrada da área que acabou por sair fácil para Filipe Mendes; Mathieu, num livre direto a rasar o poste; e Bruno Fernandes, numa transição rápida que terminou com um tiro desviado num defesa dos azuis, iam apostando na meia distância. E seria mesmo dessa forma que os leões chegariam ao golo inaugural: Acuña voltou a fazer a variação para o centro, arriscou de pé direito e colocou a bola na gaveta (74′).

O Sporting estava em vantagem e tinha tudo para gerir o encontro de outra forma, mas apenas 86 segundos depois o jogo encontrava-se empatado: Coates calculou mal um corte num cruzamento que seria facilmente controlado por Rui Patrício e acabou por fazer autogolo, o segundo na época depois do Barcelona (76′).

Sem necessidade e por clara culpa própria, os leões ainda tiveram de sofrer um pouco mas conseguiram aguentar a igualdade, suficiente para assegurar a passagem à Final Four. E se Jesus queria lutar por todas as finais, está mais perto de alcançar a primeira numa temporada onde o conjunto verde e branco ainda não perdeu nas provas nacionais, algo que tinha sido conseguido pela última vez por Carlos Queiroz na década de 90.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Debate

Desimportantizar os caraoqueiros

Paulo Tunhas

O pensamento-karaoke funciona como obstáculo a que se procure entender o que se passa à nossa volta. Os caraoqueiros estão-se, de resto, nas tintas. Só querem caraocar mais alto do que os outros.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site