Serviço Nacional de Saúde

Hospital de Santa Maria garante capacidade de resposta nas urgências

O presidente da administração do Hospital Santa Maria garante que o serviço de urgências está a funcionar dentro da normalidade para a quadra, mantendo a capacidade de resposta.

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da administração do Hospital Santa Maria, disse hoje à Lusa, que o serviço de urgências está a funcionar dentro da normalidade para a quadra, mantendo a capacidade de resposta, sem registo de casos de maior gravidade.

“Continuamos a ter capacidade de resposta em tempo útil. Não temos registada nenhuma situação anormal”, vincou Carlos Martins.

No entanto, o presidente da unidade hospitalar admitiu que, nos últimos três dias, se tem verificado uma afluência maior às urgências, devido à quadra festiva.

“Nos últimos três dias temos tido mais doentes a recorrerem às nossas urgências, [cerca de] mais cem episódios por dia, mas, no dia de hoje, voltamos àquilo que é a nossa mediana para esta altura do ano”, sublinhou.

Carlos Martins adiantou que a maioria dos casos registados estão associados a problemas respiratórios, gripes ou a “situações que já vêm de trás”.

Apesar de não avançar números, o representante do Hospital Santa Maria garante que os tempos de espera estão dentro do “estipulado”, sublinhando que a área mais preocupante são os internamentos.

“Em termos de triagem temos tido um comportamento homogéneo, ou seja, não temos registado muitos doentes com pulseira verde ou azul. Estamos dentro dos tempos estipulados. Não vou deixar de dar nota de que há alguma preocupação adicional quando olhamos para as áreas de internamento, designadamente para o internamento médico, onde estamos próximos do total da nossa capacidade”, indicou.

Segundo a mesma fonte, as situações mais preocupantes registam-se na pediatria, que apresenta “uma elevada taxa de ocupação nos internamentos e cuidados intensivos”.

Porém, o presidente do conselho de administração do Santa Maria adianta que estão garantidas as condições para a atribuição de várias altas hospitalares.

“Aguardamos com serenidade os dias que serão de maior pressão, nomeadamente, a hora de almoço de segunda-feira. Confiamos na rede de cuidados de saúde primários, que está a funcionar com horário alargado. Deixo também uma nota de sensibilização para que o cidadão procure, em primeira instância, o centro de saúde e o médico de família”, concluiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Salvar o SNS

Fernando Leal da Costa

A proposta de lei de António Arnaut e João Semedo cristaliza o financiamento do SNS e do direito à proteção de saúde num modelo que já está falido e não consegue deixar de ser sub-financiado.

Alimentação

A gula do sr. ministro

José Miguel Pinto dos Santos
469

Se a “alimentação saudável” é objetivo prioritário do Estado, porque é a medida restrita aos hospitais? Porque não proporcionar as suas vantagens também a todo o funcionalismo público e aos deputados?

Serviço Nacional de Saúde

O educador do povo

Luís Reis
938

Este é o grau de desprezo pelas liberdades individuais dos cidadãos a que chegámos, pela mão de um Governo que não quer ouvir falar sobre direitos fundamentais das pessoas nem sobre livre-arbítrio.

Governo

Uma semana no recreio

Helena Matos
252

O Governo proíbe as crianças-pais de comerem queques nos hospitais, já a PSP faz comunicados explicando às crianças-filhos que não devem engolir cápsulas de detergente. Estamos no país-recreio.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site