Presidente Marcelo

Presidente da República faz mensagem de Ano Novo às 20:00 a partir de casa

167

O Presidente está a recuperar de uma intervenção cirúrgica a uma hérnia umbilical, por isso este 1 de janeiro, a tradicional mensagem de Ano Novo será feita a partir de casa.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da República dirige esta segunda-feira aos portugueses a habitual mensagem de Ano Novo, às 20:00, um ano depois de ter pedido que 2017 fosse o ano “da gestão a prazo” e que se mantivesse a estabilidade política.

Marcelo Rebelo de Sousa discursará, em direto, às 20:00, a partir da sua casa, em Cascais, onde está a recuperar de uma intervenção cirúrgica a uma hérnia umbilical, segundo fonte da Presidência da República.

Na mensagem do ano passado, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que 2017 teria de ser “o ano da gestão a prazo e da definição e execução de uma estratégia de crescimento económico sustentado”, depois de um ano, 2016, que descreveu como da “gestão do imediato”.

A partir do Palácio de Belém, numa comunicação de cerca de oito minutos, o chefe do Estado considerou “indesmentível” a existência de “estabilidade social e política” em 2016.

Para 2017, o Presidente da República advertiu que era necessário “não perder estabilidade política, paz e concertação, rigor financeiro, cumprimento de compromissos externos, maior justiça social, formação aberta ao mundo, proximidade entre poder e povo”.

Hoje, Marcelo Rebelo de Sousa fará um balanço do ano que passou, e que foi marcado pelas tragédias dos incêndios de junho e outubro, com perda de vidas.

Com sucessivas visitas aos locais afetados, em que exigiu o apuramento das responsabilidades, o Presidente da República tinha prometido voltar às zonas mais afetadas pelos incêndios de outubro, na região centro do país, pelo Ano Novo.

Contudo, a operação de urgência, realizada no Hospital Curry Cabral, Lisboa, impediu-o de concretizar a deslocação.

O tema das alterações ao regime da fiscalização das contas partidárias e ao financiamento político, que suscitou polémica nos últimos dias, deverá ficar de fora da mensagem de Ano Novo, já que Marcelo Rebelo de Sousa remeteu para depois do feriado de hoje a decisão sobre promulgação ou veto do diploma.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O péssimo selvagem

Alberto Gonçalves
1.776

Numa única frase, o dr. Costa conseguiu incluir “tivemos”, do verbo “ter”, e “tive”, do verbo “tar”, sem perceber que um dos vocábulos apenas cabe nas sofisticadas conversas das altas esferas do PS.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site