CDS-PP

CDS quer apoios para fogos de outubro iguais aos de junho

Em visita a Oliveira do Hospital, Assunção Cristas defendeu que os apoios concedidos aos incêndios de junho devem ser repetidos quanto aos incêndios de outubro. A região Centro foi a mais afetada.

PAULO NOVAIS/LUSA

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu esta quarta-feira que os apoios estatais concedidos no incêndio de Pedrógão Grande devem também ser aplicados da mesma forma aos fogos que eclodiram em outubro noutros municípios da região Centro.

As ajudas públicas relativas ao incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, em 17 de junho, devem ser igualmente aplicadas “às vítimas e lesados de outubro”, declarou Assunção Cristas.

A líder centrista falava aos jornalistas, em Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, um dos concelhos mais atingidos pelos fogos de 15 e 16 de outubro, após ter participado, com outros deputados do partido, numa reunião com a Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP), a que preside o empresário Luís Lagos.

“Há empresas que não conseguem ter acesso aos apoios de forma célere”, lamentou, frisando que os empresários “querem fazer investimentos” para retomar a laboração e salvaguardar os postos de trabalho.

Na sua opinião, importa que “o Governo esteja mais próximo” das vítimas em geral e, em particular, dos empresários, “que querem continuar, mas precisam de ser ajudados”, sendo necessário “criar atratividade” para os territórios do interior de Portugal devastados pelos incêndios ao longo de 2017.

Antes da reunião com a direção da AVMISP, no salão nobre da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, Assunção Cristas e a comitiva do partido visitaram hoje, pela segunda vez, várias empresas destruídas em outubro pelos incêndios, tendo ouvido queixas dos donos, que salientaram as “demoras e falta de informação” do Estado aos empresários lesados, que apresentaram candidaturas para o efeito.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ribeiro e Castro

O apagamento da história e o futuro do CDS

Abel Matos Santos
144

Agora que o PSD escolheu Rui Rio, defensor da eutanásia, o CDS só poderá afirmar-se e ganhar espaço se deixar o pragmatismo envergonhado que o separa da afirmação plena da razão para o qual foi criado

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site