Cinema

“Star Wars” entra em 2018 a liderar receitas de bilheteira nos EUA

Depois da estreia nas salas de cinema da América do norte, há três semanas, o filme "Os Últimos Jedi", da saga "Star Wars", está na primeira posição em receitas de bilheteira.

FRANCK ROBICHON/EPA

O último filme da saga “Guerra das Estrelas (Star Wars)” entrou no ano de 2018 à frente das receitas de bilheteira nos Estados Unidos, o que transformou 2017 no segundo melhor ano de sempre dos estúdios Disney. “Os Últimos Jedi”, oitavo filme da saga galáctica de George Lucas, gerou 66,8 milhões de dólares (55,39 milhões de euros) de sexta-feira da semana passada a segunda-feira, de acordo com Exhibitor Relations.

Depois da estreia nas salas de cinema da América do norte, há três semanas, o filme está na primeira posição em receitas de bilheteira e acumulou já 532 milhões de dólares (441 milhões de euros). No mundo, o derradeiro filme da saga — igualmente número um na Europa, de acordo com a Disney, que anunciou que a produção será estreada na China na próxima sexta-feira — acumula mais de mil milhões de dólares (8,3 milhões de euros) no total.

Avatar (2009) é o filme que ainda mantém o recorde de receitas de bilheteira mundiais, com 2,7 mil milhões de dólares (2,24 mil milhões de euros). Na América do Norte, “A Guerra das Estrelas” ameaça o primeiro lugar das melhores estreias, em 2017, com “A Bela e o Monstro”, segundo a Disney.

O estúdio é o único a ultrapassar os 5 mil milhões (4,5 mil milhões de euros) de receita global, nos últimos três anos, segundo o sítio na internet especialista em cinema Deadline.com.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

“Against all odds”

Luis Carvalho Rodrigues

Em 1940 Winston Churchill tinha 65 anos. No dia em que tomou posse como primeiro-ministro, escreveu: “Toda a minha vida passada foi uma preparação para este momento e para esta prova.”

Presidente Trump

As semelhanças entre Obama e Trump

João Marques de Almeida

A eleição de Trump foi a derrota das elites bem pensantes e do establishment dos media, que prefere escrever para os seus egos e os seus pares em vez de tentar entender o que se está a passar nos EUA.

Vladimir Putin

Síria: não há forma de lavar a hipocrisia 

José Milhazes

Lavrov apoiou a acção turca porque os ataques visam curdos e outras forças sírias apoiadas pelos EUA. Não é difícil imaginar o regozijo reinante no Kremlin face à luta entre parceiros da NATO na Síria

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site