Primeira Liga NOS

Ter coragem chegou para empatar (mas até podia ter chegado para mais)

105

Na segunda parte (e depois de uma primeira que Gelson "desatou") o Benfica insistiu no ataque, o Sporting resistiu à defesa, e o empate chegaria de penálti ao minuto 90.

PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/Getty Images

Hoje não há tanto bate-boca como antes. Jesus não ambiciona ter Vitória “deste tamaninho”. E Vitória não considera menos Jesus do que um “vendedor de pipocas”. Respeitam-se. E tanto se respeitaram esta quarta à noite que os primeiros 15 minutos foram jogados bem longe das balizas – e remates nem um para amostra.

A explicação é táctica. O meio-campo do Benfica anulou o do Sporting, o do Sporting anulou o do Benfica, e anulando-se não haveria quem atacasse. William tinha que recuar até à defesa para ter bola. Onde estivesse, Pizzi também estava. Pizzi tinha que recuar até à defesa para ter bola. Onde estivesse, William também estava. A história repetia-se com Battaglia e Krovinovic. Como se repetia também com Bruno Fernandes e Fejsa.

Benfica-Sporting, 1-1

Estádio da Luz, em Lisboa

Árbitro: Hugo Miguel

Benfica: Varela; André Almeida, Rúben Dias (João Carvalho, 81’), Jardel e Grimaldo; Fejsa (Rafa, 73’), Pizzi (Jiménez, 56’) e Krovinovic; Salvio, Cervi e Jonas

Suplentes não utilizados: Svilar, Lisandro, Samaris e Seferovic

Treinador: Rui Vitória

Sporting: Rui Patrício; Piccini, Coates, Mathieu e Fábio Coentrão; William Carvalho, Battaglia e Bruno Fernandes; Gelson Martins (Bryan Ruiz, 83’), Acuña (Bruno César, 78’) e Bas Dost

Suplentes não utilizados: Salin, André Pinto, Ristovski, Podence e Doumbia

Treinador: Jorge Jesus

Golos: Gelson Martins (19’) e Jonas (90’, g.p.)

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Fejsa (64’), Coates (69’) e Bruno César (85’)

Haveria de ser Gelson Martins a romper o nó tático ao minuto 19. Fábio Coentrão, Acuña e Bruno Fernandes, toma lá, dá cá, entenderam-se bem à esquerda, Coentrão remata, mas o remate acaba por ressaltar num defesa do Benfica e virar cruzamento. Gelson foi mais ágil a atacar a bola e desviou de cabeça para o primeiro da noite.

O meio-campo lá “desatou” e as chances, de parte a parte, sucediam-se. Primeiro foi o Benfica, ao minuto 24, a rondar o empate. André Almeida desmarca Salvio na grande área, o argentino demorou a rematar e, assim, permitiu que Patrício saísse dos postes e defendesse. O ressalto sobrou para Jardel, Patrício estava fora da baliza, o brasileiro cabeceou e Piccini tirou para longe.

Acuña testou os reflexos de Varela ao minuto 29. O guarda-redes do Benfica esticou-se todo e defendeu para canto um remate forte desde a esquerda do argentino.

[Veja no vídeo a repetição dos lances mais polémicos do derby]

Antes do intervalo, ao minuto 34, houve um cruzamento de André Almeida à direita, Jonas amorteceu no peito dentro da grande área e rematou à meia volta. A bola bateu na cara de Coentrão e, depois, no braço. O Benfica pediu penálti mas Hugo Miguel deixou seguir. E o jogo seguiu com um remate de Krovinovic à barra. O árbitro consultou o VAR em seguida e validou a primeira decisão: não seria marcado penálti na Luz.

A segunda parte traria de Vitória a coragem e de Jesus um conforto… quase indolente. E recuou o Sporting – não fez qualquer remate que testasse Varela. E cresceu (muito) o Benfica.

Porquê coragem? Porquê conforto? É que o treinador do Benfica apenas fez substituições de ataque, tirando Pizzi, Fejsa e até Rúben Dias, terminando o jogo com apenas um central, sem trinco e seis jogadores bem destacados na frente. Jesus, esse, acaba por nem gastar as substituições todas. Fez entrar Bruno César e Bryan Ruiz, povoando o meio-campo, tentando segurá-lo. Não segurou. E não aproveitou (o jogo pedia Podence mas de Podence só se viram umas corridinhas no aquecimento) o quão “partido” o Benfica estava na táctica.

Ao minuto 60, e tal como na primeira parte, o Benfica voltou a pedir grande penalidade. Depois de um cruzamento de André Almeida à direita, Jonas remata de primeira mas a bola ressalta em Coates e sai devagar, devagarinho, pouco ao lado do poste direito. Após o canto e alguma confusão na grande área, Jonas rematou segunda vez, a bola desvia no braço de Piccini e volta a sair ao lado da baliza. O árbitro consultou o VAR e, mais uma vez, deixaria seguir.

Coates esteve perto do autogolo ao minuto 76’ (desviou por cima da barra um cruzamento de Rafa) e João Carvalho do golo de uma (ainda breve) vida, num remate de ressaca após canto — saindo este também por cima da barra.

De tanto insistir, o Benfica empatou. E ao terceiro penálti que protestou, Hugo Miguel assinalou-o mesmo: Battaglia tinha desviado com a mão um remate de Rafa na grande área. Na conversão, Patrício ficou no centro da baliza, esperando que o remate de Jonas seguisse para lá, mas o remate do brasileiro (que finalmente marcou num dérbi com o Sporting) seguiu para a esquerda e o Benfica empatou ao minuto 90.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpalma@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site