Uber

Fundador da Uber vai vender 29% das ações por 1,4 mil milhões de dólares

Há um novo multimilionário em Silicon Valley. O polémico fundador da Uber vai vender cerca de 29% do capital acionista que detém na empresa ao SoftBank por 1,4 mil milhões de dólares.

Travis Kalanick saiu da liderança da Uber em junho, depois de várias polémicas relacionadas com o seu estilo de liderança

Travis Kalanick, o polémico fundador e ex-presidente da Uber, vai vender cerca de 29% do capital social que detém na empresa ao SoftBank por 1,4 mil milhões de dólares, avança a Bloomberg. Atualmente, Kalanick — que saiu da liderança da empresa em junho de 2017 — detém 10% do capital acionista da tecnológica.

A Uber não está cotada em bolsa e a avaliação feita com base nas rondas de investimento em capital de risco avaliavam a empresa em 68 mil milhões de dólares, fazendo da Uber a tecnológica não cotada mais valiosa do mercado. Na semana passada, o SoftBank comprou 15% da empresa com um desconto de 30% fazendo com que o valor da tecnológica caísse 20 mil milhões de dólares.

Segundo o que várias fontes disseram à Bloomberg, Kalanick planeava vender perto de 50% das ações que detém ao SoftBank, mas teve de reduzir o número de títulos Em causa estão os limites já previstos no acordo entre a Uber e o grupo chinês. A venda de ações fará com que o polémico empreendedor se torne num verdadeiro multimilionário.

A Uber tem estado sob várias polémicas desde o início do ano passado, quando a ex-engenheira da empresa Susan Fowler denunciou várias situações de assédio sexual num blogue. Seguiram-se outras queixas de outros funcionários, que descreveram em blogues e em reportagens a cultura de trabalho agressiva e sexista que se vivia nos escritórios da tecnológica. A isto, juntou-se um processo judicial interposto pela Waymo, que acusava um funcionário da Uber de ter roubado dados confidenciais sobre a empresa.

As sucessivas polémicas levaram o conselho de administração da empresa a afastar Travis Kalanick da liderança em junho. Foi substituído em agosto pelo iraniano Dara Khosrowshahi, ex-presidente executivo da Expedia, empresa de reservas de viagens online, que logo nos primeiros meses de atividade teve de pedir publicamente desculpa pelos erros do antecessor.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site