Alemanha

Negociações para formar governo arrancam na Alemanha

Negociações entre os conservadores de Angela Merkel e os sociais-democratas de Martin Schulz começam hoje, naquela que poderá ser a última oportunidade para a chanceler formar um Governo estável.

CHRISTIAN BRUNA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

As negociações entre os conservadores de Angela Merkel e os sociais-democratas de Martin Schulz começam este domingo, naquela que poderá ser a última oportunidade para a chanceler alemã formar um Governo estável.

As conversações, que deverão prolongar-se por seis dias, servirão para as partes decidirem se avançam com negociações formais para a formação de uma coligação.

Merkel tem dito que os seus democratas-cristãos (CDU) querem apenas negociar uma “grande coligação”, como aquela que lhe permitiu Governar a Alemanha desde 2013, mas Martin Schulz tem sublinhado que outras opções, como o apoio do seu SPD a um governo conservador minoritário, devem manter-se sobre a mesa. Se não conseguirem chegar a acordo, a Alemanha poderá ter de avançar para novas eleições legislativas, o que poderá beneficiar o partido de extrema-direita AfD.

Numa primeira reunião informal, na quarta-feira, as duas partes asseguraram, num breve comunicado, que “a confiança aumentou”: “Iniciamos as negociações com otimismo”.

Três meses após as legislativas de que saiu vitoriosa, mas enfraquecida, Angela Merkel vê-se obrigada a tentar encontrar um compromisso com os social-democratas se quiser continuar a chefiar um executivo apoiado por uma maioria na câmara dos deputados. A chanceler, que já disse preferir novas eleições a um Governo minoritário, falhou em novembro um acordo com os ecologistas e os liberais.

Voltou-se por isso para os sociais-democratas, que temiam uma nova coligação com Merkel após os eleitores os terem punido por quatro anos de aliança com a CDU nas eleições de setembro, em que obtiveram o pior resultado desde 1933. A intervenção do Presidente, Frank-Walter Steinmeier, que quer evitar novas eleições, terá ajudado a convencer Schulz a negociar com Merkel, quando após as eleições afirmou que o SPD ficaria na oposição.

No final, caberá a um congresso do SPD marcado para 21 de janeiro decidir se o mais velho partido da Alemanha se juntará ou não a uma coligação com os conservadores. Políticos e comentadores admitem que as negociações poderão prolongar-se até maio. O país é atualmente dirigido por um executivo encarregado de gerir os assuntos correntes, com a chanceler conservadora como líder.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site