Tecnologia

‘KodakCoin’: o novo “momento Kodak” é na área das criptomoedas

Com a 'KodakCoin' a antiga gigante da fotografia pretende ajudar fotógrafos a receber pelo uso não autorizado das suas obras. O anúncio fez com que as ações da empresa subissem quase 120%.

http://maxpixel.freegreatpicture.com/Kodak-Roll-Photography-Film-Negative-Old-Retro-2725286

A Kodak, empresa histórica da área da fotografia, prepara-se para se juntar à febre das criptomoedas com o lançamento da KodakCoin. O anúncio foi feito na CES, que decorre em Las Vegas até ao dia 12 de janeiro, e fez com que o valor das ações da empresa subisse quase 120%.

O objetivo desta iniciativa na área do ‘blockchain’ por parte da empresa norte-americana é ajudar fotógrafos a controlar os seus direitos de imagem. A Kodak pretende construir uma plataforma de registo global a que os autores adicionam o seu trabalho e que integra um software que procura usos não autorizados das fotos pela web. É aqui que entra a criptomoeda: a empresa assume as responsabilidades de licenciamento da foto e paga ao fotógrafo em KodakCoin.

O presidente executivo da Kodak, Jeff Clarke, afirmou que a empresa “sempre procurou democratizar a fotografia e tornar o licenciamento justo para os artistas”, acrescentando que as tecnologias “dão à comunidade fotográfica uma maneira inovadora e fácil de fazer isso mesmo.”

Após o anúncio, as ações da Kodak começaram a ser vendidas a um valor 130% mais elevado do que o preço de abertura e fecharam o dia num valor 119,4% mais alto.

A empresa anunciou ainda planos para a criação de aparelhos para ‘minar’ Bitcoin na sua sede, em Rochester, Nova Iorque. O projeto tem o nome de Kodak KashMiner e a sua gestão será feita pela Spotlite, empresa com quem a Kodak já fez outros acordos de licenciamento. Desde que colapsou em 2012, o antigo gigante da fotografia tem licenciado a marca a uma série de outros fabricantes.

De acordo com o líder da Spotlite, Halton Mikail, que falou com a BBC, com 4 mil dólares de investimento inicial, durante dois anos, os clientes deste serviço poderiam, com o atual valor da Bitcoin, ganhar cerca de 500 dólares de lucro por mês. Mikail referiu ainda que a empresa já atingiu a capacidade máxima de ‘miners’, contando de momento com 80 — número que vai aumentar para 300 para responder à procura.

O processo de ‘mining’ consiste na resolução de problemas matemáticos complexos através de tarefas que exigem muito de um processador. O KashMiner inclui, por isso, um poderoso processador e uma ventoinha para o manter fresco. O aparelho vai consumir tanta eletricidade quanto a que se gastaria com um secador ligado durante todo o dia. Contudo, a Kodak possui geradores na sede para produzir a própria energia, dos quais vai usufruir.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Meus pais e seus aparelhos eletrônicos

Ruth Manus
179

Parece que todos os aparelhos eletrônicos que os meus pais compram foram vítimas de algum tipo de maldição que tornou seu funcionamento algo absolutamente anormal. 

Inovação

A Caixa de Pandora e a Lâmpada de Aladino

António Covas

Na era digital do ciberespaço e da cibercultura, abrir a Caixa de Pandora ou esfregar a Lâmpada de Aladino pode ser uma operação de alto risco. Cuidado, pois, com a armadilha do narcisismo digital. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site