Exportações

Empresas exportadoras de bens estimam crescer 5,7% em 2018

As empresas exportadoras de bens perspetivam crescer 5,7% em 2018. O INE destaca as perspetivas de aumento de 22,2% nas exportações do material de transporte e acessórios.

As empresas exportadoras de bens perspetivam um crescimento nominal de 5,7% das suas exportações em 2018 face ao ano anterior, segundo dados divulgados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as perspetivas reveladas pelas empresas indicam um aumento esperado de 6,9% em 2018, sinaliza o INE.

O INE sublinha que as perspetivas se referem a variações nominais, traduzindo assim o efeito combinado das variações esperadas de preços e de quantidades.

“No caso particular dos Combustíveis e lubrificantes, os preços observados têm-se caracterizado por volatilidade e amplitudes de variação muito elevadas, dominando em geral o sentido e a magnitude das variações nominais do comércio internacional deste tipo de produtos”, refere.

Por grandes categorias económicas, o INE destaca as perspetivas de aumento de 22,2% nas exportações do material de transporte e acessórios.

O Inquérito sobre Perspetivas de Exportação de Bens foi realizado em novembro de 2017 e corresponde à primeira previsão das empresas para a evolução esperada das exportações de bens em 2018.

Em maio de 2018 será realizada uma nova edição deste inquérito, para atualização das perspetivas das empresas relativas à exportação de bens para 2018.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Startups

Foguetório empresarial

Maria João Marques

Não há nada que irrite mais o português médio que o arrojo e a ousadia alheia. O atrevimento, as ambiciosas ideias de uns têm o condão de iluminar o conformismo dos restantes, o que ninguém leva a bem

Emprego

Em casa de Ferraz, competitividade de pau

Luís Aguiar-Conraria

Declarações como as de Ferraz da Costa, do Fórum para a Competitividade, dão a entender que uma parte dos empresários continua viciada em baixos salários. Estava na altura de serem mais competitivos.

Startups

Foguetório empresarial

Maria João Marques

Não há nada que irrite mais o português médio que o arrojo e a ousadia alheia. O atrevimento, as ambiciosas ideias de uns têm o condão de iluminar o conformismo dos restantes, o que ninguém leva a bem

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site