Teatro

“Do bosque para o mundo” regressa terça-feira ao Teatro S. Luiz, em Lisboa

"Do bosque para o mundo", a peça que conta uma história sobre crianças refugiadas, regressa esta terça-feira ao Teatro S. Luiz, em Lisboa. O texto é de Inês Barahona, com encenação de Miguel Fragata.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A história de um rapaz afegão que procura refugiar-se na Europa dá tema à peça “Do bosque para o mundo”, estreada no final de 2016, que vai ser reposta no Teatro S. Luiz, em Lisboa, ao longo desta semana, a partir de terça-feira. Com texto de Inês Barahona e encenação de Miguel Fragata, “Do bosque para o mundo” põe em palco Anabela Almeida e Manuela Pedroso, narradoras de uma história sobre crianças refugiadas.

“Começámos à procura dos grandes temas informativos e a crise dos refugiados foi um deles. Começámos à procura de histórias que fossem contadas na primeira pessoa, de crianças refugiadas, e ficámos tão envolvidos pelo tema, que achámos que era sobre isto mesmo que tínhamos de falar”, contou Miguel Fragata à agência Lusa, quando a peça foi estreada, em novembro de 2016.

No palco há malas de viagem de vários tamanhos e feitios e um gigante mapa da Europa, no qual se traça a viagem dos irmãos Farid e Reza, duas crianças afegãs enviadas pela mãe com destino a Inglaterra, e que serão separadas durante o percurso.

“Interessava-nos dar a conhecer esta realidade e abrir espaço para que adultos e crianças possam falar sobre este tema, que está tão próximo e presente na nossa realidade, aqui ao lado, e muitas vezes sentimos que há uma pressão para esconder debaixo do tapete. O que nos interessa é levantar esse tapete”, sublinhou Miguel Fragata.

À Lusa, Inês Barahona explicou que a intenção da peça é falar sobre o drama de quem foge de cenários de conflito e “dar espaço e confiar na inteligência das crianças para que façam a sua leitura e a sua reflexão. Quando isso acontece, as questões naturais de cada um emergem”.

Pode haver milhares de quilómetros, toda uma geografia e um contexto político e social a separar a realidade de uma criança em Portugal de uma do Afeganistão, mas há questões “deste rapaz de 12 anos [a personagem Farid] e que ele próprio enuncia e que são comuns a muitas das crianças que virão assistir ao espetáculo”, disse.

A pensar num público mais novo, Miguel Fragata e Inês Barahona tiveram necessidade de explicar conceitos básicos, sobre o que é ser refugiado ou traficante, sobre asilo, e quais as regras dos países europeus, recorrendo a várias estratégicas cénicas apelativas.

“Era importante perceber de que forma podíamos chegar aos vários níveis de conhecimento [do público] e tornar o tema e a presença desta criança universal. O ponto de partida é muito longe, é uma realidade muito distinta, mas há um perfil que é universal, uma criança de 12 anos”, disseram. “Do bosque para o mundo” tem por alvo público em geral, a partir dos 9 anos, crianças do 1.º e 2.º ciclos do ensino básico e famílias.

A peça fica em cena até ao próximo domingo, dia 21, na Sala Mário Viegas do Teatro Municipal São Luiz, com programação para escolas, na terça e na sexta-feira, às 10:30, e para famílias, no sábado, às 16:00, e no domingo, às 11:00 e às 16:00.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site