Infidelidade

Sabe o que é a micro-traição? 17 sinais de infidelidade online

124

As redes sociais podem ter tornado as relações em porcelana. Um novo conceito psicológico diz que há pequenas atitudes que podem contar como traição e arruinar o amor. Será que o seu está em risco?

Getty Images/iStockphoto

A Coreia do Norte diz ter um botão nuclear muito grande. Donald Trump diz ter um botão nuclear ainda maior e mais potente. E as autoridades hawaianas têm um botão nuclear demasiado ansioso. Certo é que todos nós temos um botão de que vale a pena manter as mãos o mais longe possível. E hoje em dia esse botão pode ser o simples e tão comum “like” no Facebook. Dizem alguns especialistas na matéria que clicar no “gosto” errado pode ser o suficiente para lançar uma bomba nuclear numa relação. E nem sequer precisa de chegar àquela fase do batom vermelho na camisa ou do perfume estranho no casaco.

Martin Graff, psicólogo da Universidade de South Wales, criou um conceito que pode vir a abalar tudo aquilo que se julga ser as fronteiras da traição: o micro-cheating. Segundo ele, entram nesse conceito todos aqueles comportamentos aparentemente inofensivos que algumas pessoas podem achar perigosos para uma relação — a maior parte dos quais ocorre nas redes sociais. É aquele gosto numa foto provocadora da qual não devia gostar. É aquele emoji com coraçõezinhos no lugar dos olhos que não devia enviar. Ou a mensagem que decidiu apagar para apagar o rasto de um mal-entendido, mas deixou muito à vista.

Claro que nem toda a gente acha estranho que a pessoa com quem está mantenha um contacto saudável com o ex-companheiro. Nas redes sociais, há quem defenda que ver comportamentos como estes como traição pode até alimentar casos de abusos e violência nas relações amorosas. Certo é que Facebook, Instagram e outras redes sociais podem ter vindo mudar o conceito da traição. E, para o micro-cheating, a traição pode ser muito mais subtil do que parece.

Conheça os suspostos sinais de uma infidelidade com raízes no mundo online na fotogaleria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site