Marinho e Pinto

“Manuel Vicente não é um angolano qualquer”, diz Marinho Pinto

1.391

António Marinho e Pinto defende que Portugal devia deixar que o ex-vice-presidente angolano fosse julgado em Luanda. O caso tem sido tratado de forma "negligente", afirma o eurodeputado português.

© Global Imagens

Há uma “dimensão política e diplomática muito forte” no processo contra o ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente, que deveria fazer com que este caso controverso tivesse sido tratado “de uma outra maneira pelas autoridades portuguesas, incluindo pelas judiciárias”. Esta é a análise de António Marinho Pinto, eurodeputado português que defende que o ex-vice de José Eduardo dos Santos possa ser julgado em Luanda e não em Lisboa, porque “Manuel Vicente não é um angolano qualquer”.

Em entrevista ao Público e à Rádio Renascença, Marinho Pinto diz que não o “repugna a possibilidade de um determinado país julgar no seu território, na sua ordem jurídica, os nacionais do seu país que tenham cometido crimes no estrangeiro”. O jurista lembra que “o Código Penal português prevê essa possibilidade para cidadãos portugueses, pelo que deve aceitar que outros países queiram a mesma prerrogativa”.

Lembrando que o Ministério Público não é um organismo independente, é um “braço” dos órgãos políticos, Marinho Pinto defende que em alguns momentos tem que se articular o princípio da legalidade, ou seja, a subordinação total à lei, com princípios de oportunidade política — quando estão em causa interesses do próprio Estado que podem sobrepor-se ao interesse do Estado em punir determinados crimes”.

Na análise de Marinho Pinto, este é o caso do processo Manuel Vicente, já que “Portugal tem centenas de milhares de cidadãos que vivem e trabalham em Angola. E a primeira obrigação dos políticos é defender os interesses nacionais em qualquer parte do mundo em que estejam portugueses”.

Questionado sobre outros temas, pelo Público e Rádio Renascença, Marinho Pinto elogia o mandato da Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, mas concorda que o mandato não deve ser renovado, justamente porque foi com este “espírito” que se alargaram os mandatos para seis anos. Quanto ao seu próprio percurso, António Marinho Pinto diz que “como nos iogurtes”, o seu “prazo está a chegar ao fim”.

O advogado elogia, ainda, o governo socialista apoiado na maioria de esquerda, mas acusa que “continua a enganar-se o povo, dizendo que é possível distribuir sem produzir”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site