Roménia

Mais de 30 mil romenos na rua para dizer “não à corrupção”

O parlamento aprovou no final de dezembro três propostas de lei que fazem temer uma redução da independência dos magistrados e uma redução das prerrogativas do ministério público anticorrupção.

ROBERT GHEMENT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de 30.000 romenos manifestaram-se este sábado em Bucareste e numa dezena de grandes cidades para dizer “Não à Corrupção” e a uma polémica reforma legislativa da Justiça defendida pela maioria de esquerda.

“Estamos aqui para exigir aos dirigentes que não toquem na Justiça e deixem cair o seu projeto de reforma”, disse à agência noticiosa francesa AFP um empresário, Marius Constantin, de 49 anos, que se deslocou de Sibiu, no centro da Roménia, para se juntar aos manifestantes concentrados na praça da Universidade, no centro de Bucareste.

“É uma vergonha o que se está a passar: sob o pretexto de melhorar as leis da Justiça, eles introduziram artigos que lhes permitem escapar a possíveis sanções”, sustentou, por seu turno, Amalia, de 77 anos, engenheira reformada.

O parlamento, dominado pelos social-democratas (PSD) aprovou no final de dezembro três propostas de lei que fazem temer uma redução da independência dos magistrados e uma redução das prerrogativas do ministério público anticorrupção, extremamente ativo nos procedimentos contra representantes políticos eleitos suspeitos de corrupção.

O Presidente romeno, Klaus Iohannis, de centro-direita, não indicou se promulgará esses diplomas, já criticados por Bruxelas e Washington.

Estas novas manifestações ocorreramm alguns dias após a demissão forçada do primeiro-ministro social-democrata, Mihai Tudose, e a nomeação de um novo chefe de Governo, a eurodeputada Viorica Dancila, que declarou o seu apoio a tais leis.

“O PSD mostra todos os dias que não é capaz de dirigir este país”, indignou-se Horatiu Buzatu, um empresário de Craiova, no sul.

Brandindo bandeiras tricolores romenas ou cartazes em forma de mão nos quais se lia “Todos pela Justiça”, os manifestantes atravessaram o centro de Bucareste para se concentrarem em frente ao parlamento, gritando “Ladrões!”.

Cerca de 5.000 pessoas manifestaram-se em Cluj (noroeste), outras 5.000 marcaram presença no protesto de Timisoara (oeste) e 3.000 em Iasi (nordeste), segundo a imprensa local.

Num relatório divulgado na quinta-feira, o organismo anticorrupção do Conselho da Europa, o GRECO, recordou que “a profissão dos magistrados se associou amplamente ao movimento de contestação” suscitado por esta reforma.

Uma tentativa de aligeirar o Código Penal tinha já provocado, no inverno passado, uma onda de protestos de dimensões sem precedentes desde a queda do regime comunista, no final de 1989, obrigando o Governo a recuar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site