Assédio Sexual

Assédio. A vida do ator Terry Crews depois de revelar que também foi vítima

Revelou que foi assediado no fim do ano passado, por um homem, mas agora Terry Crews fala sobre como se tem sentido depois da denúncia feita. E deixa o alerta: é necessário falar sempre.

Getty Images

Autor
  • Ana Luísa Alves

Terry Crew foi um dos atores norte-americanos que aproveitou o movimento #MeToo para denunciar o assédio sexual de que foi vítima por parte de outro homem. Em novembro do ano passado o ator conhecido pelos seus papéis em filmes de comédia — sendo protagonista da série “Brooklyn Nine Nine” em exibição na Fox Comedy — revelou que um administrador da agência de talentos que o representava tentou tocar-lhe nas suas partes íntimas durante uma festa em Bervely Hills (Los Angeles).

O ator Terry Crews na 49ª NAACP Image Awards, no dia 18 de janeiro, na Califórnia. (Foto de Marcus Ingram/Getty Images)

Mais tarde, Terry Crews revelou que se tratava de Adam Venit, que acabou por ser afastado da agência (WME — William Morris Endeavor) onde trabalhava, tendo o ator deixado também a empresa. Mais tarde, Venit acabou por regressar à WME, o que deixou Crews insatisfeito.

Passaram-se dois meses e o ator não esquece que a vergonha é um sentimento comum depois deste tipo de denúncias. Mas, confessou ao The Hollywood Reporter, estava preparado para “lidar com tudo sozinho, porque é também por isso que normalmente as mulheres passam”, acrescentou.

“A única maneira de me libertar disto é falar. E falar vai libertar também outras pessoas”, justificou o Terry Crews.

Na altura da revelação, em novembro, e mesmo depois de Adam Venit ter apresentado um pedido de desculpas, o ator acabou por apresentar queixa criminal contra o executivo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Feminismo

As mulheres do Presidente

Luis Carvalho Rodrigues

Para as feministas mulheres que aceitam a “objectificação" sofrem de “misoginia interiorizada” (uma versão do proletário alienado pelo capitalismo) e devem ser salvas. Se preciso contra a sua vontade 

Crónica

Quatro grandes questões do nosso tempo

Alberto Gonçalves
1.055

Não sei se o sr. Costa tem azar com as limitações de quem lhe escreve os discursos, ou se ele escolhe deliberadamente burgessos. Sei que exaltar a língua enquanto a torturamos com zelo tem a sua piada

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site