Pornografia

Cinco atrizes pornográficas morreram nos últimos três meses

575

Olivia Lua, Olivia Nova, August Ames, Turi Luv e Shyla Stylez. Todas atrizes pornográficas. Todas morreram nos últimos três meses. Coincidência ou existe uma razão transversal a todas as mortes?

Olivia Lua tinha 23 anos e foi encontrada morta num centro de reabilitação em Califórnia

XBIZ/Twitter

Olivia Lua, também conhecida por Olivia Voltaire, tinha 23 anos. Foi encontrada morta na passada sexta-feira no centro de reabilitação onde estava, no estado norte-americano da Califórnia. “Soubemos hoje que Olivia Lua morreu esta manhã — que descanse em paz”, disse em comunicado a agência LA Direct Models, com quem Lua assinou contrato em abril de 2017. A atriz acabou por não fazer muitos trabalhos devido a “desafios pessoais que a levaram para um centro de reabilitação”.

Olivia Lua é a quinta atriz pornográfica e a segunda da agência LA Direct Models a morrer, nos últimos três meses. “Nós aqui na agência, obviamente, mal podemos acreditar que estamos a emitir um comunicado como este, não uma vez, mas duas vezes, em tão curto espaço de tempo”, disse ainda a Direct Models. Olivia Nova também trabalhou para a Direct Models. Foi encontrada morta no dia 7 de janeiro, em Las Vegas, depois de ter contraído uma “infeção urinária severa que se espalhou para o rim“, de acordo com o jornal Metro. Tinha 20 anos.

No mês anterior, em Dezembro, August Ames, de 23 anos, enforcou-se depois de ter sido chamada homofóbica por se ter recusado a ter relações sexuais com homens que fizeram pornografia homossexual, segundo a Fox News. “Têm o sangue dela nas mãos”, disse o marido ao Mirror. Yuri Luv, de 31 anos, morreu de overdose no mesmo mês. Shyla Stylez, outra atriz pornográfica de 35 anos, morreu durante o sono no dia 9 de novembro, na sua casa em British Columbia, no Canadá, de onde era natural.

Para Derek Hay, da agência LA Direct Models, em declarações ao The Daily Mail, as cinco mortes foram uma “coincidência”. Mas outros artistas do meio consideram que estas mortes podiam ter sido evitadas com mais segurança para prevenir ataques online e situações de stress, consumo de drogas e depressão associada à área. Um deles foi Ginger Banks, também atriz pornográfica que revelou ao Hollywood Life que sofreu de depressão “por causa da maneira” como as pessoas viam o seu trabalho e por causa do que fazia “para ganhar a vida“. “A forma como a sociedade olha e trata as atrizes pornográficas torna-nos mais deprimidas. É difícil sentir que não pertencemos ou que somos cidadãos de segunda classe”, disse ainda.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site