Óscares

E se os Óscares fossem escolhidos por si? Vote aqui nos (seus) preferidos

A decisão de quem foram os melhores atores, realizadores e filmes de 2018 está na mão de 6 mil pessoas. Se a escolha fosse dos 10 milhões de portugueses, quem ganharia os Óscares? Vote aqui.

PAUL BUCK/EPA

Não há mesmo volta a dar: só mesmo os seis mil membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos é que têm o poder de escolher quem vai ganhar o Óscar, uma estatueta avaliada em 500 dólares com quatro quilos e 34 centímetros de altura. Enquanto se espera por 4 de março, dia do veredito final, podemos todos fingir que a decisão está nas nossas mãos. Se assim fosse, quem sairia vitorioso da 89.ª edição dos Prémios da Academia? Responda ao inquérito aqui em baixo para fazer as suas escolhas (e sentir-se… poderoso).

Agora a resposta a uma pergunta que pode estar na sua cabeça: não, não pode simplesmente inscrever-se na Academia. Só pode fazê-lo de duas formas: se for nomeado ou se for convidado por dois ou mais membros, desde que depois seja aprovado pela assembleia. Ainda assim, não pense que saber as falas todas do Titanic basta: é preciso que tenha marcas “excecionais” no mundo do cinema e que tenha alcançado “um nível fora do normal de qualidade e distinção” no seu campo de trabalho. Como não é, de facto, tarefa fácil, o melhor mesmo é ler este Explicador sobre como funciona a votação dos Óscares.

Os nomeados para os Óscares 2018 foram conhecidos no início desta tarde. A cerimónia, que vai ser apresentada uma vez mais por Jimmy Kimmel, decorrerá daqui a seis semanas, a 4 de março, no Teatro Dolby em Los Angeles.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Emprego

Em casa de Ferraz, competitividade de pau

Luís Aguiar-Conraria

Declarações como as de Ferraz da Costa, do Fórum para a Competitividade, dão a entender que uma parte dos empresários continua viciada em baixos salários. Estava na altura de serem mais competitivos.

Startups

Foguetório empresarial

Maria João Marques

Não há nada que irrite mais o português médio que o arrojo e a ousadia alheia. O atrevimento, as ambiciosas ideias de uns têm o condão de iluminar o conformismo dos restantes, o que ninguém leva a bem

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site