Luanda

Estudantes de Luanda vão marchar contra a “gasosa” (cobranças ilegais) na escola

190

Grupo de estudantes de Luanda anunciou marcha, na sexta-feira, contra a "gasosa" escolar, denunciando "cobranças ilegais" nas escolas durante as matrículas. E pedindo "punição aos infratores".

HENRIQUE BOTEQUILHA/LUSA

Um grupo de estudantes de Luanda anunciou esta terça-feira a realização de uma marcha, na sexta-feira, contra a “gasosa” escolar, denunciando as “cobranças ilegais” nas escolas durante o período de inscrições e matrículas, pedindo “punição aos infratores”.

Em declarações à Lusa, o porta-voz da organização da marcha, que se intitula como de repúdio à gasosa escolar, fez saber que a marcha surge na sequência de descontentamentos de estudantes e encarregados de educação sobre a “disseminação do fenómeno gasosa nas escolas”, em que muitos são obrigados a fazer pagamentos por exemplo para terem vaga no ano escolar.

Para que possamos chamar a atenção aos encarregados, alunos e em especial às direções das escolas, para que não possam pactuar na questão da gasosa, para transição de classe ou acesso às matrículas que tem sido uma das questões muito desastrosas a nível do sistema de ensino”, afirmou Donito Carlos.

A marcha, cujo pedido já deu entrada no governo provincial de Luanda, surge, explicou, em “função de um trabalho de campo” feito entretanto pelos organizadores e apesar de os diretores das escolas negarem as acusações.

“Temos constatações em grande parte dos institutos médios de Luanda e em várias escolas de ensino geral, de cobranças ilegais”, apontou.

Segundo o estudante, a marcha convocada para as 12:00 de sexta-feira, e que deve juntar estudantes de vários níveis de ensino, encarregados de educação e membros da sociedade civil deverá decorrer “em conformidade com a lei”. “Deveremos concentrar-nos no largo do cemitério da Santa Ana e daí marcharmos com palavras de ordem até à sede da direção de Educação de Luanda, onde vamos ler o manifesto desta marcha de repúdio”, adiantou.

Nesse manifesto, observou, serão apontadas “várias chamadas de atenção à sociedade e às autoridades de Luanda, para que estejam mais atentas ao fenómeno da gasosa e para punir as pessoas implicadas”. “E aqui também a meia culpa do Governo, porque não há escolas suficientes”, sustentou.

Nos últimos dias, e tal como em anos anteriores, voltaram a surgir relatos de cobrança – ilegal – por inscrições em algumas escolas públicas de Luanda, tendo a Polícia Nacional confirmado a detenção, há cerca de uma semana, de um subdiretor de um estabelecimento de ensino nos arredores de capital, por esta prática.

Governo não reforçou oferta de escolas para mais alunos

Já o Sindicato dos Professores Angolanos (Sinprof) admitiu à Lusa que vários milhares de alunos deverão ficar este ano fora do sistema de ensino, porque o crescimento dos alunos não foi acompanhado do crescimento da infraestrutura de ensino.

“O que acontece é que o número de alunos que termina o ciclo primário não encontra vaga no ensino secundário, quer os que entram para a 7.ª classe, bem como os que entram para a 10.ª classe, segundo ciclo”, afirmou o presidente do Sinprof, Guilherme Silva.

Falando no quadro da preparação do ano letivo 2018, que no ensino geral arranca no início de fevereiro, o sindicalista exortou também os seus filiados a “não estarem expostos à tentação da gasosa” devido a exiguidade de vagas nas escolas para o ano letivo 2018. “Porque quando os lugares são escassos a pressão é maior e as pessoas ficam expostas a tentações. Aconselhamos os colegas a evitarem a exposição a tentações que ocorrem geralmente neste período, aquilo que tem a ver com venda de vagas ou a receção de material”, admitiu.

Para o porta-voz da organização da marcha de sexta-feira, esta ação surge igualmente na sequência dos apelos do Presidente angolano, João Lourenço, para o combate à corrupção.

“A Lei de Base do ensino em Angola faz referência a gratuitidade no ato das matrículas e não podemos ficar de braços cruzados quando existem casos evidentes de cobranças ilícitas em várias escolas de Luanda, violando a lei”, rematou.

O ano letivo 2018 em Angola arranca na primeira semana de fevereiro e deve estender-se até 15 de dezembro, envolvendo cerca de 10 milhões de estudantes no ensino geral.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Emprego

Em casa de Ferraz, competitividade de pau

Luís Aguiar-Conraria

Declarações como as de Ferraz da Costa, do Fórum para a Competitividade, dão a entender que uma parte dos empresários continua viciada em baixos salários. Estava na altura de serem mais competitivos.

Startups

Foguetório empresarial

Maria João Marques

Não há nada que irrite mais o português médio que o arrojo e a ousadia alheia. O atrevimento, as ambiciosas ideias de uns têm o condão de iluminar o conformismo dos restantes, o que ninguém leva a bem

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site