Cosméticos

Marca de cosméticos tentou comercializar #MeToo acusada de oportunista

A marca americana Hard Candy tentou comercializar a hashtag #MeToo, mas acabou a ser alvo de críticas. A atitude pareceu oportunista e muitos se pronunciaram nas redes sociais.

A marca de cosméticos Hard Candy tentou comercializar perfumes e maquilhagem com a marca “MeToo”, mas o resultado não foi o pretendido. A marca foi criticada por se estar a aproveitar da hashtag (associada ao movimento de denúncia dos casos de assédio sexual que se tornou viral depois dos escândalos sexuais em Hollywood), para vender mais.

Aquilo que poderia ter sido uma boa jogada, acabou por ficar visto como uma atitude oportunista, com muitas pessoas, principalmente mulheres, a comentarem o caso nas redes sociais.

Jerome Falic, presidente executivo do Grupo Falic Fashion, do qual a marca americana faz parte, disse à Refinery29 que planeava doar o lucro obtido para uma organização #MeToo — contudo, não há uma única instituição ou organização assim denominada, segundo o mesmo site.

Apesar das declarações de Jerome Falic, a marca não foi poupada a críticas. A conta theGrio.com perguntou no Twitter por que razão as pessoas estão a utilizar a hashtag #MeToo para fazer publicidade quando esse não é, de todo, o seu propósito.

Devido à indignação que se fez sentir nas redes sociais e a todas as críticas de que foi alvo, a Hard Candy está a retirar o pedido de marca registada. A Quartz pediu um comunicado à marca americana, mas ainda não obteve qualquer resposta. Contudo, há já um comunicado enviado a outros meios de comunicação.

A Hard Candy escreve que, como uma marca dedicada às mulheres, “tem vindo e vai continuar a apoiar os direitos das mulheres”. O comunicado refere que quando o pedido de marca registada de #MeToo foi arquivado, “um dos nossos objetivos era trazer uma maior consciencialização para este importante movimento”, dizendo ainda que “planeamos doar todos os lucros decorrentes” para a #MeToo (instituição ou organização, que segundo a Refinery29 não existe). “Com base em vários comentários, abandonámos o pedido. Vamos continuar a apoiar o trabalho deste movimento e outras causas que respeitem a dignidade das mulheres e de todas as pessoas”, conclui.

Houve quem pedisse que não se comercialize a #MeToo e quem ficasse surpreendido com o ‘golpe’ da Hard Candy.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site