Reino Unido

Jack Brooksbank vai entrar para a família real britânica. Mas quem é ele?

113

Este ano estão marcados dois casamentos reais em Inglaterra. O do príncipe Harry com a atriz Meghan Markle e o da princesa Eugénia, prima de Harry e William, com Jack Brooksbank.

Chama-se Jack Brooksbank tem 31 anos e também vai entrar para a família real britânica este ano, depois de casar com a princesa Eugénia de York, prima dos príncipes William e Harry, filha do irmão do príncipe Carlos, o príncipe André, o mais novo de quatro irmãos.

O noivado entre Jack Brooksbank foi anunciado já no início de 2018 e o casamento real vai acontecer em setembro; antes, em maio, casa também o príncipe Harry com a atriz Meghan Markle.

O jornal inglês The Guardian fez uma espécie de questionário para que os ingleses — e não só — pudessem ficar a conhecer melhor aquele que, em breve também será um príncipe na família real inglesa.

A princesa Eugénia e Jack Brooksbank conheceram-se no aniversário de 50 anos do Duque de York, durante umas férias em Verbier, na Suíça. Estão juntos há sete anos e a princesa tinha 19 quando se conheceram, enquanto estudantes na Universidade de Newcastle, em Inglaterra.

Jack trabalhou num pub, em Chelsea, antes de ir para o restaurante londrino Markham Inn, onde esteve durante três anos. Em 2010 começou o seu próprio negócio, dentro do mercado dos vinhos, e agora é embaixador da marca Casamigos Tequila, da qual George Clooney é um dos fundadores.

O noivado entre os dois foi anunciado ao início desta semana e as reações de ambas as famílias já foram noticiadas na imprensa internacional.

O jornal The Sun avança que a avó do noivo, Joanna Newton, de 91 anos, diz estar maravilhada com o casamento do neto.

“O meu neto é uma pessoa normal, não diria que há algo fora do normal nele, até isso diz muito sobre a princesa Eugénia, que o quer ao lado dela”, acrescentou a avó.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turquia

Uma bofetada Otomana

Diana Soller

A Turquia está isolada. Quem semeia ventos colhe tempestades. E quem sofre é a população. Afrin tornou-se uma região de refúgio para muitos sírios que fogem de focos mais intensos da guerra civil.

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site