Música

50 Cent esqueceu-se de que tinha aceitado Bitcoin por álbum — agora tem 7 milhões de dólares na conta

977

Há quatro anos, 50 Cent deixou que os seus fãs comprassem o seu álbum com Bitcoin. Quatro anos depois, "Fiddy", que saltou para a ribalta com "Get Rich or Die Tryin'", descobriu que está mais rico.

Gary Gershoff

Em 2014, 50 Cent lançou Animal Ambition, álbum que marcava o regresso do rapper aos discos. Na semana de lançamento, “Fiddy” vendeu apenas 47 mil cópias, menos de um terço do que tinha vendido na primeira semana do seu anterior álbum. Foi, portanto, um falhanço comercial — o primeiro da carreira de um dos nomes mais influentes do género nos anos 2000. Contudo, nem tudo foi um “flop”: na altura, 50 Cent deixou que os fãs adquirissem o seu álbum com Bitcoin e agora tem 7 milhões de dólares numa conta de que já nem se lembrava.

A notícia foi avançada pelo TMZ, que reporta que os fãs do rapper podiam adquirir o álbum por uma fracção de Bitcoin, que então valia cerca de 660 dólares. 50 Cent, que foi o primeiro rapper a aceitar a criptomoeda como forma de pagamento, terá arrecadado cerca de 700 bitcoins em vendas, cujo valor em dólares rondava, na altura, os 400 mil. Hoje, considerando que o valor da criptomoeda ronda os 10, 12 mil dólares, essas bitcoins valem entre 7 milhões e 8,5 milhões de dólares.

Apesar de ter sido um pioneiro, a “experiência” não deve ter sido memorável para o artista. De acordo com o The Verge, Jackson, após ter confirmado a notícia nas redes sociais, admitiu numa publicação no Instagram (entretanto apagada) que se tinha “esquecido de que tinha feito essa m****”.

50 Cent, que saltou para a ribalta com o seu primeiro álbum, Get Rich or Die Tryin’, tem tendência para acertar em investimentos: em 2004, o rapper assinou um acordo de parceria com a empresa detentora da Vitaminwater, a Glacéau, tendo ficado com 10% da empresa. Três anos depois, em 2007, a Coca-Cola viria a comprar a Glacéu por mais de 4 mil milhões de dólares, dos quais Jackson recebeu cerca de 100 milhões, após impostos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site