Maquilhagem

Vermelho e negro, dueto para uma maquilhagem intemporal

Não são uma tendência. São símbolos da história humana que há milénios se plasmam no nosso rosto: o eyeliner negro e o batôn vermelho um dueto para a maquilhagem perfeita que a arte imortalizou.

Autor
  • Joana Emídio Marques

O vermelho e o negro são as duas cores que atravessam toda a história da maquilhagem. Desde os primórdios da evolução humana que mulheres e homens colocavam ao redor dos olhos pigmentos negros para reforçar a importância e a dimensão dos olhos e vermelhos para intensificar a cor dos lábios e das faces. Talvez por terem essa tremenda força simbólica o vermelho e o negro nunca saem de moda e, com mais ou menos variantes, são o clássico dos clássicos na maquilhagem. Este ano as cores voltam em força, quer separadas quer juntas.

Nos anos 90, Gwyneth Paltrow foi a rainha do estilo batôn vermelho e rosto lavado. É ela uma das inspirações deste regresso do look lolita chique

Marc Jacobs, Blumarine e Armani apresentaram as suas coleções para a primavera/verão 2018 acompanhadas por uma maquilhagem em tons de vermelho e negro. E, embora este duo de cores seja apontado pelos make up artists como o mais seguro e simples de fazer, a moda ainda está marcada pela macro-tendência do look natural, materializado nos “nudes”, cores suaves e neutras ou no rosto limpo apenas adornado de glitters. Assim, o vermelho e o negro aparecem nesta estação tal como se apresentaram nos anos 90: batom vermelho sobre um rosto desmaquilhado ou eyeliner negro sobre uma pele limpa e lábios apenas nutridos e sem cor.

A paleta de vermelhos que as marcas nos oferecem vai do quase laranja, ao quase castanho passando pelo vermelho gliterizado e pelo vermelho transparente de efeito chupa-chupa.

Já o contorno dos olhos vai encontrar reminiscências geométricas do antigo Egito mas também do modernismo dos anos 60. Já não é apenas o “cat eye”, é um experimentalismo cujo enfoque estará agora na parte inferior do olho e não na pálpebra. Já a linha que vai do canto externo do olho para as têmporas quer-se criativa; ondulada, redonda ou a ser desenhada na parte superior do olho, como era usual nos “sixties”.

Kendal Jenner e Gigi Hadid com o eyeliner carregado, finalização arredondada, rosto limpo e lábios ligeiramente brilhantes

Os olhos de Amy Winehouse foram a grande inspiração de Pat McGrath para a coleção SS/2018 de Tom Ford. Mas também Carolina Herrera e a Sportmax apostaram no olhar negro e gráfico. Esta forma de usar eyeliner requer mais perícia do que a habitual linha junto às pestanas e é provável que nem todos os produtos disponíveis se adaptem a ela da mesma forma: um simples lápis preto se não estiver bem afiado vai dar asneira, já um bico bem grosso é o ideal para criar o efeito Winehouse. Uma caneta de bico fino fino ou um pincel angular podem ser o ideal para o desenho geométrico.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Emprego

Em casa de Ferraz, competitividade de pau

Luís Aguiar-Conraria

Declarações como as de Ferraz da Costa, do Fórum para a Competitividade, dão a entender que uma parte dos empresários continua viciada em baixos salários. Estava na altura de serem mais competitivos.

Startups

Foguetório empresarial

Maria João Marques

Não há nada que irrite mais o português médio que o arrojo e a ousadia alheia. O atrevimento, as ambiciosas ideias de uns têm o condão de iluminar o conformismo dos restantes, o que ninguém leva a bem

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site