Corrupção

Operação Fizz. Banqueiro Carlos Silva desmente Orlando Figueira

Banqueiro angolano emitiu comunicado onde desmente acusações do procurador e encontro em Luanda. Para Carlos Silva, são "insinuações falsas" que revelam um elevado "grau de fantasia".

Carlos Silva, presidente do Banco Atlântico Europa e vice-presidente do BCP, desmente que tenha contratado o procurador Orlando Figueira

Orlando Figueira, o procurador que está a ser julgado por suspeitas de ter sido corrompido pelo antigo vice-presidente angolano Manuel Vicente, foi desmentido esta segunda-feira pelo banqueiro angolano Carlos Silva. “Esta tentativa recente e oportunista de adulterar a realidade assenta em insinuações falsas”, escreveu o banqueiro em comunicado, referindo-se às declarações de Figueira em tribunal, que afirmou nunca ter conhecido Manuel Vicente, mas ter sido sim contratado para trabalhar em Angola por Carlos Silva, através do advogado Proença de Carvalho.

O banqueiro, que admitiu diversos encontros com o então procurador do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) quando testemunhou na fase de inquérito da Operação Fizz — inclusivé um almoço no Hotel Ritz após Silva ter sido inquirido pelo procurador Rosário Teixeira num outro inquérito –, desmente, contudo, as acusações que lhe foram dirigidas por Orlando Figueira durante o seu testemunho. “Quero reiterar que, para além do que relatei no meu depoimento, não tive nenhum outro contacto, pessoal, telefónico ou por outra via com este senhor, nem muito menos lhe fiz qualquer convite de trabalho.

Como exemplo do “grau de fantasia” da argumentação de Figueira, o banqueiro afirma que os detalhes do “suposto encontro num hotel no centro de Luanda” que Figueira garante ter acontecido entre os dois revelam as falhas da história do antigo procurador, já que descreve Carlos Silva “como envergando uma indumentária que, quem me conhece, sabe que jamais utilizaria num local deste tipo”, escreve o banqueiro. “Embora sejam evidentes os motivos que levam o ex-procurador a enveredar nesta fase por esta estratégia, não posso deixar, desde já, de vir publicamente repor a verdade”, termina o comunicado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site