Crime

Dois ex-secretários de Estado de Sócrates acusados de uso indevido de fundos

593

Conde Rodrigues e José Magalhães foram acusados de peculato por uso o cartão de crédito do governo para comprar livros, revista cor-de-rosa e sobre ioga. Estão com termo de identidade e residência.

O Ministério Público acusou José Conde Rodrigues e José Magalhães, ambos ex-secretários de Estado do governo de José Sócrates, pela prática de crimes de peculato, por terem utilizado cartões de crédito atribuídos para fins públicos em benefício próprio. Os ex-governantes terão feito gastos de 14 mil euros e 400 euros, respetivamente, em livros e revistas. Enquanto Conde Rodrigues gastou esse dinheiro em 700 livros e revistas jurídicas, os gastos de José Magalhães foram em 30 publicações sociais e revistas sobre ioga, avança a TVI24, citando a Procuradoria Distrital de Lisboa.

“O Ministério Público requereu ainda o julgamento, em tribunal coletivo, de dois arguidos, pela prática de crimes de peculato. No essencial ficou suficientemente indiciado que os arguidos, que exerceram funções de Secretários de Estado do Governo em causa, utilizaram os cartões de crédito que lhes foram atribuídos para fins públicos em benefício próprio, adquirindo bens para uso pessoal, nomeadamente adquiriram livros e revistas que não se enquadravam no âmbito funcional ou de serviço, quer pela sua temática, quer pela sua natureza, que não reverteram a favor do Estado, produzindo no erário público prejuízo pecuniário”, pode ler-se numa nota publicada pela procuradoria distrital de Lisboa.

De acordo com a nota da procuradoria distrital, o Ministério Público pediu que os dois ex-governantes sejam julgados e ambos estão sujeitos a termo de identidade e residência. Numa nota enviada à TVI, José Magalhães, o antigo secretário de Estado reagiu à acusação feita e diz que “todas as declarações serão prestadas na sede própria e em devido tempo”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igreja Católica

A reforma mais difícil de Francisco

P. Miguel Almeida, sj

Juntemos a descentralização da autoridade eclesial a uma real importância dada à consciência dos fiéis e temos o fim do clericalismo. Esta é a grande bomba da reforma bergogliana.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site