Música

Festa do Jazz tem novos locais em Lisboa e acontece em março

A próxima Festa do Jazz vai ter lugar no Conservatório Nacional de Música e noutros locais no Bairro Alto. O evento acontece entre os dias 23 e 25 de março.

HOW HWEE YOUNG/EPA

A próxima Festa do Jazz vai acontecer de 23 a 25 de março, no Conservatório Nacional e noutros espaços próximos, no Bairro Alto, em Lisboa, revelou à agência Lusa Carlos Martins, da associação Sons da Lusofonia. A Festa do Jazz sai, assim, do Teatro Municipal São Luiz, onde acontecia anualmente desde a primeira edição, em 2003.

Carlos Martins lamentou a “deslealdade institucional” do teatro municipal, por se ter demarcado da 16.ª edição, quatro meses antes de acontecer, mas, contactada pela agência Lusa, a diretora artística do São Luiz, Aida Tavares, justificou a decisão com o objetivo de fazer uma reflexão sobre a programação dedicada ao jazz.

“Ao fim de 15 anos, julgamos que a Festa do Jazz deve ser renovada e queremos fazer uma reflexão sobre a programação que é dedicada ao jazz. Contactámos quatro/cinco pessoas ligadas à Festa do Jazz e às escolas de jazz para fazer essa reflexão e enviei cartas a 250 músicos a contar precisamente sobre esse momento. Foram informados”, disse Aida Tavares.

Ainda sem ter anunciado a programação, Carlos Martins explicou que a Festa do Jazz vai acontecer em março, no Conservatório Nacional e espaços circundantes, e contará com a participação de escolas de jazz de todo o país. Apesar da mudança, Carlos Martins disse que os músicos convidados mantiveram intenção de tocar na Festa do Jazz, para que o evento “não seja apagado do mapa”.

A primeira edição da Festa do Jazz aconteceu em 2003, no Teatro Municipal São Luiz, tornando-se, desde então, um ponto de encontro anual do jazz português, em particular com ênfase nas escolas de música e em formações de jovens músicos.

A 15ª edição aconteceu naquele teatro municipal, em abril de 2017. Da programação fizeram parte, entre outros, concertos da cantora Joana Machado, do guitarrista Bruno Pernadas, do pianista Luís Barrigas e do percussionista José Salgueiro.

Além dos concertos, que se dividiram entre a Sala Luís Miguel Cintra, a Sala Mário Viegas e o Jardim de Inverno, houve ainda atividades paralelas, como a apresentação do disco do baterista Pedro Melo Alves, Prémio de Composição Bernardo Sassetti 2017. Nos próximos meses, entre as atividades previstas dedicadas ao jazz, o teatro municipal associar-se-á, por exemplo, às celebrações dos 70 anos do Hot Clube de Portugal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site