Rui Rangel

Amizade com Vieira, trunfo contra Vieira, cartada de Vieira: quem é Fernando Tavares, o ex-número 2 da lista de Rangel?

136

Amigo há quase 50 anos de Vieira, Fernando Tavares zangou-se com ele, esteve com Rangel em 2012 mas voltou ao clube em 2016. Pelo meio, fez a ligação entre ambos e agora é arguido na Operação Lex.

Fernando Tavares é amigo quase de infância de Vieira mas esteve com Rangel (e Veiga) nas eleições de 2012 do Benfica

No final de setembro de 2012, as contas do Benfica foram chumbadas em Assembleia Geral e a contestação a Luís Filipe Vieira subia vários decibéis. Em causa estava um prejuízo de 12,9 milhões de euros mas, como em qualquer reunião magna, o que se discutia não eram propriamente os números mas sim o rumo que o clube estava a levar. Houve o rebentamento de um petardo, o líder dos encarnados saiu sob escolta policial e os discursos, mais aplaudidos ou apupados, eram a favor ou contra Vieira. Pelo meio das intervenções, houve um nome que mereceu aplausos nas filas de trás (onde estava a maioria da ala anti-Vieira, formada por sócios mais novos) e acenos de cabeça mais à frente (onde se concentrava a larga franja pró-Vieira, genericamente com os associados mais antigos): Fernando Tavares. O mesmo que é agora arguido na Operação Lex.

O gestor tinha sido vice-presidente de Vieira entre 2003 e 2008, altura em que decidiu bater com a porta. Braço direito e homem de confiança do líder encarnado, que conhece há quase 50 anos, Fernando Tavares não aceitou aquilo que considerou ser mais uma série de intromissões no pelouro ao qual sempre esteve ligado no Benfica, as modalidades. Saiu, manteve a sua atividade profissional (como já antes fazia) e esteve sempre vigilante, a acompanhar o quotidiano dos encarnados na sombra. Todavia, nunca esqueceu aquilo que considerou ser uma facada do amigo — e, entre jantares de benfiquistas e pessoas próximas, foi sondando a possibilidade de promover um movimento que eclodisse numa candidatura forte contra Vieira. Em termos públicos, as intervenções foram poucas ou nenhumas, a bem da estabilidade do clube. Até que veio a tal Assembleia Geral.

“Luís Filipe Vieira teve um revés tremendo e, na minha opinião, terá pouca legitimidade para continuar à frente da governação do Benfica. Deve interpretar os resultados da Assembleia Geral e o facto de se mover num contexto de uns estatutos que acabaram por blindar a sua posição [n.d.r. outra medida, tomada em 2010, que nunca foi muito bem aceite por alguns benfiquistas, por se entender que seriam mudanças que visavam sobretudo impedir elementos como José Veiga de avançar nas eleições do clube]. Por muito menos, outros benfiquistas que ocuparam o cargo ou se demitiram ou não se recandidataram. E fizeram-no porque tinham sentido de clube. Será que também terá isso, de perceber a pouca legitimidade para governar?”, referiu.

No plano “político”, a possível oposição a Vieira tinha sido esvaziada. José Eduardo Moniz e Varandas Fernandes, que estiveram no Movimento Benfica Vencer, Vencer — ao qual se juntou Rui Rangel em 2009 –, estavam mais próximos do que distantes do então (e agora) número 1. Bagão Félix, o nome que Fernando Tavares mais queria ver a concorrer contra Vieira, nunca se chegou à frente. Por isso, quando Luís Nazaré convocou eleições para a última semana de outubro de 2012, a margem era curta. Avançou Rui Rangel, com João Carvalho como candidato à liderança do Conselho Fiscal, Paulo Olavo Cunha na Assembleia Geral e Tavares como um número 2 e homem forte das modalidades como já tinha sido antes. Aliás, esse era talvez um dos trunfos mais fortes de Rui Rangel, que contava também com o apoio de José Veiga, antigo diretor do futebol encarnado.

A campanha teve acusações fortes, com Rangel a defender que Vieira ameaçara funcionários se não votassem nele (sendo voto eletrónico, deixaria rasto) e que o passivo galopante já era de 500 milhões de euros. “Que se faça um escrutínio às empresas de Luís Filipe Vieira para ver quantas foram à insolvência”, atirou o juiz. “Esse senhor mente descaradamente e envergonha o Benfica e a própria magistratura”, respondeu Vieira, que iria atuar no plano judicial.

Luís Filipe Vieira na Assembleia Geral do Benfica

Numa noite agitada e onde a polícia voltou a ter de ser chamada ao pavilhão da Luz, Vieira ganhou. Melhor, goleou: 83%. E entre 2012 e 2016 teve o mandato de maior sucesso em termos desportivos, sobretudo no futebol. No último sufrágio, concorreu sozinho e com poucas mexidas a destacar. Entre as entradas, houve duas ponderadas e uma concretizada: Fernando Tavares regressou à vice-presidência da direção, Rui Rangel não chegou a entrar nos órgãos sociais que se candidataram.

Das Furnas para o mundo, até à primeira passagem pelo Benfica

Fernando Manuel da Silva Costa Pagamim Tavares, de 57 anos, nasceu nas Furnas (onde Vieira cresceu), em Lisboa, e é sócio do Benfica desde 1976 (já tem o número 5.690). Como contou um perfil do zerozero.pt, chegou a jogar futebol em equipas como o Palmense, o Olivais do Sul ou o Clube Desportivo dos Portugueses de Neuilly, em Paris. É mesmo assim, Paris. Licenciado em Gestão de Empresas no ISE (atual Instituto Superior de Economia e Gestão), tirou um MBA na Universidade de Warwick, em Coventry, e fez várias graduações em universidades no estrangeiro. Além de França e Inglaterra, viveu noutros países como Espanha, Bélgica ou Estados Unidos, ocupando cargos de direção de várias empresas. Foi CEO da Makefoot, direcionada para o marketing e a comunicação no desporto, além de ter estado ligado à direção e administração da BP. Outra curiosidade: sendo benfiquista desde miúdo, chegou a ser presidente nos anos 80 do Clube Recreativo Os Leões das Furnas.

Amigo quase de infância de Luís Filipe Vieira, chegou ao Benfica em 2003, ficando com a responsabilidade das modalidades do clube. Tendo em conta a amizade com o presidente, acabou por ter uma espécie de carta branca para renovar as modalidades das águias, mantendo-se sempre muito discreto. Exemplo? Nunca gostou de ser rotulado como o pai do Projeto Olímpico do clube, apesar das intervenções diretas na contratação de figuras que ficariam vários anos como símbolos, casos de Telma Monteiro, Nélson Évora ou Vanessa Fernandes (os dois últimos medalhados em Pequim, em 2008, com o saltador a conseguir a quarta medalha de ouro da história nacional após Carlos Lopes, Rosa Mota e Fernanda Ribeiro).

A manutenção do basquetebol, que esteve em risco de fechar; a aposta (curta a nível de longevidade) no ciclismo; e o reforço de modalidades como o andebol, o futsal ou o hóquei em patins acabaram por ficar na primeira passagem de cinco anos pelo clube. Mas nem tudo correu bem: o despedimento de Beto Aranha ou Donner, treinadores que tinham sido campeões de futsal e andebol, respetivamente, gerou polémica. “Entre todo o plantel e um técnico, tomei a decisão que proporcionaria uma maior estabilidade”, justificaria uns anos depois, quando voltou de novo à órbita encarnada.

Fernando Tavares com a atleta Vanessa Fernandes

Numa entrevista ao blogue Geração Benfica, admitiu “uma cumplicidade muito grande” com Luís Filipe Vieira e destacou que, após o primeiro mandato, “tudo apontava para que fosse atingido o objetivo de recolocar o clube como maior potência desportiva do país”. No entanto, a ligação quebrou. “O problema não teve a ver, em rigor, apenas com modelos de gestão, teve também a ver com a interferência de pessoas que atuam na área de influência do presidente e que, desde há muito tempo, têm uma estratégia clara de tomada de poder no clube e na SAD. Era um membro eleito pelos sócios, portanto a minha soberania devia ser total em relação a essas pessoas, que são profissionais e nunca se submeteram a esse sufrágio. Também não podiam, aliás, já que algumas delas nem sequer são benfiquistas”, acusou em 2012 nessa entrevista antes de dar um exemplo.

“Em qualquer organização, um orçamento é um instrumento ao serviço da gestão e não uma finalidade em si mesmo. Se, para ganhar um campeonato de uma determinada modalidade, necessito, a meio da época desportiva, de fazer a troca de um jogador que vai ter um impacto orçamental de 20 mil euros anuais e por questões orçamentais não posso fazê-lo, então digo que o orçamento passou a ser a finalidade. Para mim, a finalidade é ganhar. Cabe-me a responsabilidade de tentar mitigar esse impacto criando receitas extraordinárias mas não posso, dentro dos limites da razoabilidade, estar condicionado até ao último euro por um orçamento de 700 mil euros alocado a uma modalidade e deixar de ser competitivo por causa de 20 mil. (….) Não tenho feitio para ser uma peça decorativa só porque isso me dá um estatuto especial”, contou.

Da “venezuelização do Benfica” ao “mentiroso compulsivo”

Ao Expresso, nesse mesmo ano, Fernando Tavares foi mais longe nas acusações, atribuindo nomes e comparando o Benfica ao regime venezuelano, ainda no seguimento de uma saída que sempre lhe custou aceitar. “O que muitas vezes divide uma boa liderança de uma má liderança é a escolha das pessoas. Eu diria que, sobretudo, falha na escolha das pessoas e esse fator é crítico numa liderança. Os seus principais conselheiros estão contaminados pela falta de competência e, mais grave, pela total ausência de benfiquismo. No Benfica atual, as decisões não são tomadas em função do benfiquismo das pessoas, são tomadas com base na defesa do lugar”, apontou, prosseguindo: “Pessoas como Domingos Soares Oliveira, Paulo Gonçalves e João Gabriel, para além de não serem benfiquistas, exercem uma má influência sobre o presidente. Na defesa de uma estratégia de poder atacam os verdadeiros benfiquistas e empurram o clube para estratégias erradas. Os resultados estão à vista. Não há comunicação, há propaganda centrada no presidente e nos louvores à sua obra”.

Numa das raras intervenções antes das eleições de 2012, Luís Filipe Vieira chegou a chamar “mentiroso compulsivo” a Fernando Tavares, a figura que sempre viu como verdadeira oposição no sentido de ser alguém que os sócios encarnados reconheciam pelo trabalho que fizera (muito mais do que Rangel até, que era o candidato). A relação chegou a um extremo.

Fernando Tavares com o ex-presidente do Benfica Manuel Vilarinho, na apresentação da lista de Vieira nas eleições de 2016

Ainda assim, acusações à parte, houve algumas pontes que nunca se chegaram a quebrar. Muitas das críticas de Fernando Tavares a Luís Filipe Vieira visavam mais pessoas que gravitavam à volta do presidente encarnado do que o próprio, a quem reconhecia, por exemplo, “a recuperação da credibilidade do Benfica”. Por seu turno, o líder das águias não é conhecido por dividir para reinar; pelo contrário, prefere ir ao encontro daqueles que lhe apontam críticas no seu projeto e, havendo um acordo de posições, integrá-los. Foi assim com José Eduardo Moniz, com Varandas Fernandes ou com Tiago Pinto, antigo conselheiro para as modalidades que entretanto ocupou na presente temporada o cargo de Lourenço Coelho como diretor-geral do futebol.

Algures no hiato entre 2012 e 2016, as relações entre Vieira e Tavares ficaram normalizadas e o gestor terá feito também a ponte entre o presidente do Benfica e o juiz Rui Rangel, de quem se tinha tornado próximo nas eleições de 2012 e que agora está no centro da Operação Lex. “Nunca senti que estivesse na oposição porque o Benfica não é um partido político e a oposição é feita pelos nossos adversários”, explicou quando se encontrava prestes a regressar aos órgãos sociais do clube, ficando com o pelouro das modalidades extra pavilhão (que ficaram na mesma com o vice Domingos Almeida Lima). “Apesar do passado em que por vezes os roteiros não foram convergentes, considero que este é o caminho, para melhor servir o Benfica. Se há oito anos saí porque divergi do rumo traçado, agora regresso porque convirjo com o desafio proposto. Nada mais simples, nada mais transparente”.

O regresso à Luz, as buscas e a garantia de consciência tranquila

Desde que regressou ao Benfica, Fernando Tavares tem apostado no reforço do Projeto Olímpico e de modalidades como o triatlo ou a natação. Foi por isso que, no final de setembro, deu voz à apresentação do Centro de Alto Rendimento que os encarnados preparam em Oeiras. “O Benfica está neste momento a viver um registo expansionista em termos de resultados desportivos, financeiros e de infraestruturas. Recentemente, o presidente teve a oportunidade de partilhar o plano de expansão do Seixal e agora é a vez de anunciar o plano de expansão das modalidades, visando dotar os nossos atletas e equipas de condições de excelência”, destacou, colocando a aposta ao nível das melhores em termos europeus.

Mantendo a mesma discrição que marcara a primeira passagem pelo clube, o vice-presidente esteve também presente no aniversário da claque Diabos Vermelhos, que se realizou no estádio da Luz, e não deixou de responder a algumas ‘farpas’ de Rui Gomes da Silva, comentador televisivo que deixou a direção em 2016 e acusou os vices encarnados de serem como os táxis porque nunca aparecem quando são precisos. “Sinceramente, não ando de táxi. Sou um dirigente como qualquer outro mas não temos de andar a falar todos os dias à comunicação social”, resumiu, sem nunca nomear o antigo dirigente.

Apresentação de Pedro Pichardo, cubano entretanto naturalizado que foi aposta para lutar com Nelson Évora no triplo nos Nacionais de Clubes

Elo de ligação entre José Veiga e Rui Rangel, numa primeira instância, e Luís Filipe Vieira e o juiz, mais tarde, Fernando Tavares surge agora na Operação Lex como um dos 13 arguidos, sabendo-se também que as buscas nas instalações do Benfica visaram em grande parte o seu gabinete. Através da sua página no Facebook, o gestor disse estar de consciência tranquila.

Como é do conhecimento público fui recentemente constituído arguido no âmbito de uma operação de investigação realizada pelas autoridades. Durante as diligências que foram levadas a cabo, disponibilizei-me de imediato a fornecer toda a informação necessária a um cabal esclarecimento de toda a situação, estando disponível para uma colaboração futura, como é meu dever, que ajude ao apuramento da verdade em função das investigações agora desenvolvidas e das questões que possam também eventualmente vir a ser suscitadas”, começou por explicar no post partilhado nas redes sociais.

“Toda a minha vida pessoal e profissional foi pautada pelo trabalho, pela honestidade, pelo rigor, pela seriedade, pela transparência e pela dedicação abnegada aos muitos projetos que abracei. Gostaria por isso de deixar uma mensagem de tranquilidade a todos os benfiquistas e amigos relativamente a este processo. Estou de consciência absolutamente tranquila. Confio na justiça, onde terei oportunidade de esclarecer cabalmente tudo o que houver a esclarecer com vista ao apuramento da verdade”, concluiu. E agradeceu as muitas mensagens de apoio que diz ter recebido nos últimos dias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site