Super Bock Super Rock

Super Bock Super Rock confirma Oddisee, The Vaccines e Tom Misch

A 24ª edição do festival lisboeta decorre de 19 a 21 de Julho. O trio junta-se a Olivier St Louis e aos previamente confirmados The XX, Justice, Slow J, Torres, Lee Fields, Baxter Dury e Sevdaliza.

Oddisee foi um dos destaques do último Vodafone Mexefest

JOÃO SEGURO/OBSERVADOR

O Super Bock Super Rock confirmou esta quinta-feira mais quatro adições ao seu cartaz. A banda inglesa The Vaccines, o rapper americano Oddisee (e a sua banda, os The Good Compny), o DJ e músico britânico Tom Misch e o rapper e cantor de R&B e hip-hop Olivier St. Louis vão actuar na 24ª edição do festival, a decorrer de 19 a 21 de Julho no Parque das Nações, em Lisboa.

Banda que marcou o panorama rock do início da década (com discos como What Did You Expect From The Vaccines, de 2011 e Come of Age, de 2012), os The Vaccines voltam ao festival lisboeta a 19 de Julho, depois de por ali terem passado em 2015. Tendo atuado em Portugal apenas em festivais — mas por seis vezes –, o quinteto londrino apresentará em Portugal o novo álbum, Combat Sports, que será editado a 30 de Março.

Também Oddisee voltará a Portugal, dia 20 de Julho, depois de ter dado um concerto no festival Vodafone Mexefest em Novembro passado. Desta feita, contudo, o rapper — autor de múltiplos discos, os últimos dos quais, The Good Fight e The Iceberg, bem recebidos por público e crítica — apresentar-se-á não com DJ (como na aparição anterior) mas com a sua banda habitual, os The Good Company, mestres na fusão do funk, R&B e jazz.

O Super Bock Super Rock tem ainda confirmada a presença dos The XX, Justice, Baxter Dury, Lee Fields and the Expressions, Sevdaliza, Slow J e Torres. Os bilhetes diários para o festival custam 55 euros e os passes gerais para os três dias 109 euros. Em 2017, atuaram no SBSR os Red Hot Chili Peppers, Future, Capitão Fausto, Fatboy Slim, Deftones, Kevin Morby, Boogarins e London Grammar, entre outros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site