Ranking Escolas 2017

Como foi construído o ranking das escolas do Observador

Este ano temos dois rankings. O que classifica as escolas consoante as notas que os alunos tiveram nos exames de 9.º e 12.º ano e o ranking do sucesso, que combina a avaliação interna e a externa.

Pelo segundo ano, o Observador, em conjunto com a Nova School of Business and Economics (Nova SBE), elaborou os rankings das escolas de acordo com os resultados obtidos pelos alunos em 2017. Este ano, porém, há uma novidade: uma nova lista ordenada, que tem por base o que se chama de “ranking do sucesso”.

Se no primeiro ranking, o que conta para a “nota” final da escola, surgem apenas as classificações de cada aluno nos exames finais (há listas para o 9.º ano e para o 12.º), no ranking do sucesso combinam-se as avaliações internas (o percurso do aluno durante os três anos daquele ciclo) com a avaliação do exame. Por sucesso escolar entende-se um percurso em que um aluno passa no 7.º e 8.º anos e obtém positiva nos exames de 9.º ou em que passa no 10.º e no 11.º anos e obtém positiva nos exames nacionais de 12.º ano.

Este indicador (que tem em conta o último triénio) valoriza o sucesso durante todo o percurso no 3.º ciclo ou no secundário, combina a avaliação interna e a externa e não premeia nem a retenção, nem a seleção de alunos por parte das escolas.

Mas esta avaliação vai mais longe e compara apenas o que é comparável. Ou seja, a “nota” atribuída a uma escola é dada por comparação com escolas que tenham o mesmo tipo de alunos. Vamos supor que uma escola recebe alunos de 10 valores no 10.º ano e os deixa com 14 valores no 12.º. Essa escola vai pontuar mais do que uma outra que receba alunos de 17 no 10.º ano e os entregue igualmente com 17 no 12.º.

As “notas” atribuídas a cada escola foram calculadas pelo Ministério da Educação, que enviou os dados já com esses cálculos realizados.

Ranking de exames: que escolas entram

Logo para começar é preciso que fique claro que este ranking das escolas Observador/Nova SBE não lhe diz quais são as melhores e as piores escolas, mas antes quais as escolas que melhor e pior pontuaram nos exames nacionais no ano letivo 2016/17. E, mesmo assim, não encontrará aqui todas as escolas, porque quer para os rankings gerais do 9.º, quer para os do 12.º ano, foi considerado um limiar mínimo de 20 alunos por escola.

Este critério de seleção fez com que no 9.º ano fossem apenas consideradas as escolas com um número mínimo de 40 provas — uma vez que cada aluno faz dois exames (português e matemática) –, num total de 1.107 escolas, deixando de fora 102 que tinham menos de 20 alunos internos. O ranking no caso do 9.º ano é feito pela nota média, em percentagem, nos exames e não pela nota de 1 a 5, por se considerar mais rigoroso o primeiro dado. Os alunos considerados são os alunos internos que realizaram os exames apenas na primeira fase.

Já no ensino secundário foi considerado um limiar mínimo de 80 exames, pois há alunos do 11.º e do 12.º ano a fazer exames e cada aluno deve fazer dois exames e cada um dos anos. Foram assim selecionadas 547 escolas de um total de 623 escolas no país.

No caso do 12.º ano, foram consideradas as nove disciplinas com mais provas realizadas na primeira fase e apenas pelos alunos internos: Português, Matemática A, Física e Química A, Biologia e Geologia A, História A, Filosofia, Matemática Aplicada às Ciências Sociais, Economia A e Geometria Descritiva A. A disciplina de Desenho A foi apenas considerada no ranking por disciplina. Nas escolas em que não aparece a média de algum exame específico é porque para esse exame há menos de 20 provas realizadas.

O que pode pesquisar

Poderá simplesmente fazer uma pesquisa pelo nome da escola, ou então pesquisar por concelho, por tipologia (pública ou privada), ou ainda por disciplina.

Se não fizer qualquer pesquisa, é-lhe apresentada uma lista completa com todas as escolas onde lhe é dito em que posição está a escola no ranking geral, em que concelho se insere, se é pública ou privada (diferença marcada pela cor do sombreado), qual a média que obteve nos exames nacionais (Média) e qual a média das notas internas (Interna) — que são as notas que resultam da avaliação contínua.

Pode ainda obter mais informação sobre cada uma das escolas, clicando em cima do nome da escola. Aí encontrará uma ficha com informação da posição no ranking geral, a média obtida no conjunto dos exames, a média interna, o número de provas realizadas, e as médias obtidas nos quatro exames com mais provas realizadas (Biologia/Geologia, Física/Química, Matemática e Português), bem como as médias das notas internas nessas disciplinas. Irá ainda saber em que posição se encontra a escola no ranking de sucesso.

No caso das escolas públicas do continente poderá ainda ter acesso a dados de contexto do agrupamento de escolas a que cada escola pertence, que são importantes na avaliação que é feita sobre a escola, pois vários estudos têm mostrado que alunos de meios socioeconómicos mais favorecidos têm melhor desempenho escolar. Assim, poderá saber qual a percentagem de alunos com ação social escolar, a percentagem de chumbos, a percentagem de professores dos quadros, e a média de anos de escolaridade dos pais. Estes dados são relativos ao ano letivo 2014/15.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ranking Escolas 2017

E tirar a ideologia dos rankings?

Maria João Marques
152

É pena que entre tanto azedume ideológico se perca a real utilidade dos rankings: dar informação às famílias, já que transparência, escrutínio e ajuda à decisão das famílias são obrigações do Estado.

Ranking Escolas 2017

Os rankings das oportunidades perdidas

Alexandre Homem Cristo
254

Com cerca de 15 anos de vida e indicadores cada vez mais fiáveis, está na hora de se dar o passo em frente: ver nos rankings escolares um ponto de partida para discutir políticas públicas de educação.

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site