Tiago Brandão Rodrigues

Ministro da Educação diz que “não há auxiliares em falta” nas escolas

O ministro da educação disse que em "dois anos podemos reforçar as escolas com 2.500 assistenciais operacionais" tanto no pré-escolar como para apoiar alunos com necessidades especiais.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O ministro da Educação disse, esta sexta-feira, em Ponte de Lima, que “não há auxiliares em falta” nas escolas, adiantando que, em dois anos, o Governo reforçou os estabelecimentos de ensino com “2.500 assistenciais operacionais”.

“Não há auxiliares em falta. Houve uma nova portaria de rácios assinada por este Governo tal qual como estava comprometido no Orçamento de Estado de 2017. Os procedimentos iniciaram-se com o reforço importante na educação pré-escolar e para os alunos com necessidades educativas especiais. Nestes dois anos podemos reforçar as escolas com 2.500 assistenciais operacionais”, afirmou Tiago Brandão Rodrigues.

O governante, que falava aos jornalistas à margem da inauguração da empreitada de reabilitação da escola secundária de Ponte de Lima, orçada em 13 milhões de euros, adiantou que “nos dois anos de legislatura, o Governo desprecarizou de três mil” assistentes operacionais que tinham contrato de emprego de inserção e agora têm contratos de trabalho reais”.

“Neste momento, todo o processo está desbloqueado, desde setembro, e os auxiliares estão nas escolas a fazer o seu trabalho como parte integrante e absolutamente fundamental das nossas comunidades educativas”, sublinhou.

Questionado pelos jornalistas sobre a eventual convocação de uma greve, no plenário nacional da Fenprof para exigir reposicionamento das carreiras e a recuperação do tempo de serviço, o ministro disse ser “um direito constitucional” e acrescentou que “nenhum Ministério da Educação teve um diálogo tão intenso com as organizações sindicais”.

“Continuaremos a fazê-lo. É algo que valorizamos, que eu entendo que as organizações sindicais também valorizam e continuaremos, sem nenhum tipo de hesitação, este caminho de diálogo e de concertação social tão importante para nós”, frisou.

As obras de reabilitação da escola secundária de Ponte de Lima, realizada ao abrigo do Programa de Modernização das Escolas do Ensino Secundário, foram lançadas em março de 2011 pela Parque Escolar e a previsão inicial apontava a sua conclusão para outubro de 2012, o que não aconteceu porque o empreiteiro faliu.

Uma outra empreitada, para terminar os trabalhos, foi lançada a concurso público internacional em dezembro de 2015, tendo o início das obras ocorrido em 2016. Com o impasse na conclusão das obras, os cerca de dois mil alunos da única secundária do concelho de Ponte de Lima, tinham aulas numa parte do edifício, em vários monoblocos, numa área da antiga escola básica da vila e no pavilhão municipal.

O ministro da Educação visitou as várias oficinas do ensino profissional e referiu que se trata de “uma via plena de progressão de estudos”.

“Nós aqui podemos ver que o ensino não pode, de todo, ser secundarizado nem estigmatizado relativamente às vias científicas e humanísticas” e apontou o exemplo dos alunos do curso de eletromecânica que se sagraram campeões do mundo no “4×4 in Schools — Technological Challenge”, que decorreu em Abu Dhabi.

“Temos aqui tantos alunos de vários cursos profissionais que têm empregabilidade plena nesta região e noutras regiões país mas que também são cobiçados pelas instituições de ensino superior, tanto no ensino politécnico como no universitário como alunos plenos, com capacidades para darem cartas reais no ensino superior, ou então no mundo trabalho, no entorno empresarial ou industrial”, referiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Congresso do PSD

Rui Rio, um novo Presidente?

José Pinto

Mostrar disponibilidade para consensos com os outros partidos parece uma ideia salutar. O problema reside na dúvida sobre a forma como Rui Rio pretende materializar essa ideia. 

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site