Festivais de Música

Músico Shawn Mendes atua em agosto no festival Sudoeste na Zambujeira do Mar

O canadiano Shawn Mendes vai atuar no último dia do Festival Meo Sudoeste, na Zambujeira do Mar. Com 19 anos, regressa a Portugal, depois de ter atuado no Altice Arena, em maio.

MARCELO SAYAO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O músico canadiano Shawn Mendes, de ascendência portuguesa, vai atuar em agosto no festival Meo Sudoeste, na Zambujeira do Mar, Odemira, foi anunciado esta segunda-feira. O 22.º festival de música decorrerá de 7 a 11 de agosto, com Shawn Mendes, marcado para o último dia.

Do cartaz deste ano, a organização já tinha anunciado as presenças do DJ holandês Hardwell e do norte-americano Mashmello. Este será um regresso de Shawn Mendes, 19 anos, a Portugal, onde atuou em maio do ano passado, no Altice Arena, em Lisboa, na digressão do “Illuminate”.

Fenómeno recente da música pop, Shawn Mendes nasceu no Canadá, em agosto de 1998, é filho de pai português e mãe inglesa e ‘deu nas vistas’ em 2013, ao colocar vídeos na Internet com versões de canções.

Um ano depois assinou contrato com a editora Island Records e lançou o tema “Life of the Party”. Tinha 15 anos e tornou-se no artista mais novo a entrar na tabela da Billboard, dos 25 músicos que mais venderam um single de estreia.

No verão de 2014 editou um EP homónimo, que antecedeu o primeiro álbum, “Handwritten”, em 2015, e que o colocou entre os artistas adolescentes de música pop. A estes registos junta-se o segundo álbum, “Illuminate”.

Nas redes sociais — onde hoje se mede grande parte do sucesso de alguns artistas — Shawn Mendes tem 24 milhões de seguidores no Instagram, sete milhões no Facebook, 6,6 milhões na plataforma Spotify e 2,4 milhões no Youtube, por conta de canções como “There’s nothing holdin’ me back”, “Stitches” e “Mercy”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site