Super Bowl

Nada de #MeToo e pouco de Trump. Esta publicidade foi a única a tocar na ferida

Num Super Bowl pouco marcado por protestos e manifestações, nada se ouviu do movimento #MeToo e pouco se falou de Trump. Mas esta publicidade da T-Mobile foi das poucas a fugir à regra.

Foram poucas, raras até, as manifestações políticas no Super Bowl no fecho de uma época de futebol americano marcada por protestos dos atletas durante o hino nacional. Ninguém se ajoelhou quando P!nk o cantou, ninguém falou do movimento #MeToo e ninguém falou das polémicas políticas de Donald Trump. Ou quase ninguém, porque a T-Mobile lançou um anúncio que pode servir de indireta ao presidente dos Estados Unidos: “Change Starts Now” (‘a mudança começa agora’) diz que “somos todos iguais”. E usou bebés para passar a mensagem.

Num único plano, onde a câmara vai passando de rosto em rosto, a publicidade da T-Mobile defende que o mundo é lugar demasiado grande, que há pessoas a quem a diferença mete mede, mas que o bom disso tudo é que, no final, “somos todos iguais”. A voz feminina que narra a publicidade, que também lançou a hashtag #LittleOnes, diz: “Vocês vieram ao mundo com a mente aberta e com o instinto de que somos todos iguais. Algumas pessoas podem ver as vossas diferenças e sentirem-se ameaçadas por elas. Mas vocês são imparáveis, vocês vão poder amar quem quiserem, vão exigir um salário justo e não vão permitir que o sítio de onde vêm ditar para onde vão”.

De uma vez só, a operadora de telecomunicações T-Mobile toca em muitas feridas. Ridiculariza as palavras de Donald Trump quando disse não querer na América pessoas naturais de “países de merda”, defende os direitos dos homossexuais e apoia também a igualdade de género, com especial ênfase no mercado de trabalho. Depois, a voz da marca também promete que os bebés daquela publicidade “serão ouvidos, não ignorados; estarão ligados, não sozinhos”. E termina com o mote: “Change Starts Now”, que em português significa “A Mudança Começa Agora”.

O vídeo, que dura precisamente um minuto, já foi publicado no YouTube e pode ser visto no link incorporado aqui em baixo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site