Assédio Sexual

Tarantino sobre Uma Thurman: “Levá-la a conduzir aquele carro é o maior arrependimento da minha vida”

131

O realizador deu uma entrevista ao site Deadline, onde admitiu que fazer com que a atriz conduzisse o carro no qual teve um grave acidente, na rodagem de "Kill Bill 2", é o seu maior arrependimento.

Quentin Tarantino e Uma Thurman em 2014, no festival Cannes

Getty Images

Autor
  • Ana Luísa Alves

“Um dos maiores arrependimentos da minha vida”. Foi assim que o realizador Quentin Tarantino se referiu ao incidente de que a atriz falou no passado fim de semana. Numa entrevista ao site Deadline, Tarantino revelou que depois do acidente de carro, durante as rodagens do filme “Kill Bill 2”, o realizador e a atriz não se falaram durante três anos.

A atriz queria que numa das cenas do filme, em que tinha de conduzir um carro, pudesse ser usada uma dupla, porque alguém da produção tinha feito o aviso de que o carro podia não estar a funcionar da melhor maneira. Este pedido, além de não ter sido atendido, fez com que a atriz perdesse o controlo da viatura e tivesse um acidente, que a deixou com lesões permanentes no pescoço e nos joelhos.

Uma Thurman publicou na sua conta de Instagram, esta segunda-feira, imagens do acidente e explicou que o fazia porque acredita que o realizador não “fez por mal”, embora reconheça que tenham existido alguns indícios de “negligência”. O jornal inglês The Guardian adianta que o realizador cedeu as imagens à atriz porque não queria que ela o processasse.

“Quentin Tarantino está arrependido e com remorsos do que aconteceu neste dia e deu-me estas imagens anos depois para que eu as pudesse expor, embora seja um acontecimento sobre o qual não é possível fazer justiça”, lê-se também na descrição da publicação da atriz.

i post this clip to memorialize it’s full exposure in the nyt by Maureen Dowd. the circumstances of this event were negligent to the point of criminality. i do not believe though with malicious intent. Quentin Tarantino, was deeply regretful and remains remorseful about this sorry event, and gave me the footage years later so i could expose it and let it see the light of day, regardless of it most likely being an event for which justice will never be possible. he also did so with full knowledge it could cause him personal harm, and i am proud of him for doing the right thing and for his courage. THE COVER UP after the fact is UNFORGIVABLE. for this i hold Lawrence Bender, E. Bennett Walsh, and the notorious Harvey Weinstein solely responsible. they lied, destroyed evidence, and continue to lie about the permanent harm they caused and then chose to suppress. the cover up did have malicious intent, and shame on these three for all eternity. CAA never sent anyone to Mexico. i hope they look after other clients more respectfully if they in fact want to do the job for which they take money with any decency.

A post shared by Uma Thurman (@ithurman) on

Tarantino negou. Em entrevista diz que foi ele mesmo quem se certificou que era seguro conduzir o carro. Ainda assim, confessa: o acidente que a atriz teve é o maior arrependimento que guarda da sua carreira no cinema.

Eu estava feliz por poder dizer à Uma que estava tudo bem, ela podia conduzir o carro, não havia problema algum e a resposta dela foi ‘OK’, porque ela acreditava em mim”, confessou o realizador, que acrescentou que foi esta confiança que fez com a atriz entrasse no carro.

“Isto afetou-me a mim e à Uma nos três anos que se seguiram ao acidente. Não falámos sobre isso, mas houve uma quebra na confiança”, revela.

Tarantino disse ainda que explicou a Uma Thurman por que motivo queria que fosse ela a fazer a cena e não uma dupla: “Ela concordou com o que eu sugeri, ela sabia que ia ficar bem e confiou em mim”, sublinhou.

Também aquilo que aconteceu entre Weinstein e a atriz foram tema durante a entrevista. Tarantino diz que sempre acreditou nas palavras de Uma Thurman, sobre a alegada violação de que foi vítima, e que tentou que Weinstein lhe pedisse desculpa.”Eu sabia que ele estava a mentir, que tudo o que a Uma tinha dito era verdade, e eu não lhe ia dar o benefício da dúvida”, confessou Tarantino.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Feminismo

As mulheres do Presidente

Luis Carvalho Rodrigues

Para as feministas mulheres que aceitam a “objectificação" sofrem de “misoginia interiorizada” (uma versão do proletário alienado pelo capitalismo) e devem ser salvas. Se preciso contra a sua vontade 

Serviço Nacional de Saúde

Modernices

Luis Carvalho Rodrigues

O problema não é a comida e sim que nos queiram obrigar a comê-la. Obrigar-nos da mesma maneira e com o mesmo argumento com que se obrigam as crianças: “é para teu bem”. 

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Igreja Católica

O deputado e o Cardeal

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Em Portugal, não é precisa nenhuma coragem para se ‘assumir’. Mas é necessário muito valor para alguém se afirmar católico, sobretudo se for fiel ao magistério e à tradição da Igreja.

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site