Estado Islâmico

Capturados último dois membros do grupo de Jihadi John

189

Os dois últimos membros do grupo conhecido como os 'Beatles' do Estado Islâmico foram capturados pelas milícias curdas apoiadas pelos Estados Unidos.

ISLAMIC STATE VIDEO / HANDOUT/EPA

Dois militantes britânicos do Estado Islâmico suspeitos de torturar e executar várias pessoas feitas reféns pelo grupo terrorista terão sido capturados na Síria pelas milícias curdas apoiadas pelos Estados Unidos, de acordo com o New York Times. Estes eram os últimos do grupo conhecido como os ‘Beatles’ do Estado islâmico.

Alexandra Kotey, de 34 anos, cresceu em Londres, e El Shafee Elsheikh, de 29 anos, foi para o Reino Unido quando a sua família fugiu do Sudão, nos anos 90. Os dois faziam parte de um grupo conhecido como os ‘Beatles’ do grupo terrorista, apelidado desta forma pelo seu forte sotaque britânico.

Os dois terroristas foram capturados pela milícia curda Forças Democráticas Sírias, que atuam junto à fronteira entre a Síria e o Iraque. As forças norte-americanas terão tido acesso aos dois membros do Estado Islâmico, que terão dado informações importantes sobre o que resta da liderança do grupo terrorista, diz o jornal norte-americano.

Os outros dois membros deste grupo já tinham sido capturados ou mortos. Aine Davis foi condenado por terrorismo no ano passado na Turquia. Mohammed Emwazi, o mais famoso do grupo, morreu na sequência de um ataque aéreo em 2015.

Emwazi ficou conhecido pelo cognome Jihadi John e era creditado por alguns dos vídeos mais brutais que o grupo usou como arma de propaganda, entre eles a decapitação dos jornalistas James Foley e Steven Sotloff, que catapultaram o Estado Islâmico para o centro das atenções mediáticas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt
Emprego

Em casa de Ferraz, competitividade de pau

Luís Aguiar-Conraria

Declarações como as de Ferraz da Costa, do Fórum para a Competitividade, dão a entender que uma parte dos empresários continua viciada em baixos salários. Estava na altura de serem mais competitivos.

Startups

Foguetório empresarial

Maria João Marques

Não há nada que irrite mais o português médio que o arrojo e a ousadia alheia. O atrevimento, as ambiciosas ideias de uns têm o condão de iluminar o conformismo dos restantes, o que ninguém leva a bem

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site