Pedro Passos Coelho

Passos Coelho diz que “a divisão do PSD acabou nas eleições”

194

Passos Coelho afirmou que "agora vai começar o processo de união do PSD e de construção de um caminho novo" com novos "protagonistas", referindo-se a Rui Rio.

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente social-democrata, Pedro Passos Coelho, defendeu esta quinta-feira que “a divisão do PSD acabou nas eleições” internas, apelando a que quem ganhou saiba não excluir quem perdeu na construção de “um caminho novo”.

“Agora não vai começar a divisão do PSD. A divisão do PSD acabou nas eleições, agora vai começar o processo de união do PSD e de construção de um caminho novo. Cabe a iniciativa a quem ganhou, mas não se pode excluir quem perdeu”, afirmou Passos Coelho, na tomada de posse dos órgãos concelhios do PSD-Lisboa.

O ainda presidente do partido — Rui Rio foi eleito em diretas, mas apenas será empossado no Congresso entre 16 e 18 de fevereiro — disse que o PSD contará sempre com ele, mas avisou que “agora os protagonistas são outros”.

“Não vamos andar, como se costuma dizer, a armar ao pingarelho”, afirmou, provocando risos na assistência. Passos Coelho salientou que “há muita gente fantástica no PSD” que, “independentemente de “proximidades pessoais, acrescenta muito ao projeto do partido”.

“Assim as pessoas saibam, acabadas as eleições, ver o que é importante e o que as une, que é imenso”, apelou, dizendo ter gostado de ouvir durante a sessão elogios ao candidato derrotado nas diretas, Pedro Santana Lopes.

Alertando que o novo ciclo se fará “das duas partes” e que todos têm de se empenhar, o ainda presidente do PSD deixou a convicção de que, se tal acontecer, os resultados aparecerão.

“Quem tem uma certa confiança não está sempre a fazer contas para ver se dá ou não dá: há de dar! E se não der a gente continua, sabemos o que queremos e não andamos a vestir e a despir a ver se agradamos de qualquer maneira e se chegamos lá de qualquer maneira”, afirmou, recebendo o maior aplauso da sessão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Sulistas, populistas e… que mais?

Helena Cristina Coelho

Por um lado, Rui Rio aparece de peito feito a condenar o abominável populismo, que rejeita — por outro, parece cair em tentações populistas, em que cede. O que esperar daqui?

Congresso do PSD

Obrigado, Pedro Passos Coelho

Luís Rosa
1.319

Numa altura em que devemos agradecer a Passos Coelho pelo futuro sustentável que ajudou a construir, também devemos lembrar a Rui Rio que tem a especial obrigação de não desrespeitar esse legado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site