Música

Quincy Jones acusa Michael Jackson de plágio na canção “Billie Jean”

O célebre compositor e produtor discográfico acusou Michael Jackson de ter plagiado, entre outras músicas, a famosa "Billie Jean", dizendo ainda que o cantor era "maquiavélico".

CYRIL ZINGARO/EPA

O célebre compositor e produtor discográfico Quincy Jones, responsável pelos maiores sucessos de Michael Jackson, acusou o rei da ‘Pop’ de ter plagiado várias das suas canções, entre as quais a famosa “Billie Jean”.

“Não gosto de o dizer publicamente, mas Michael roubou muita coisa, ele roubou muitas canções”, declarou o produtor de 84 anos, que participou na criação dos lendários álbuns “Thriller” e “Bad”.

“Ele era tão maquiavélico como é possível ser-se”, acrescentou, numa entrevista concedida ao ‘site’ Vulture, apontando o dedo às semelhanças entre “Billie Jean”, cuja produção assegurou, e a canção “State of Independence”, da rainha da ‘Disco’ Donna Summer, igualmente produzida por Quincy Jones e lançada alguns meses antes.

As semelhanças entre as duas canções não são evidentes, a não ser pelo facto de ambas assentarem em linhas de baixo executadas em sintetizador.

Quincy Jones acusou ainda Michael Jackson, que morreu em 2009, de ser “mesquinho”, por se ter recusado a creditar o teclista Greg Phillinganes na sua canção “Don’t Stop ‘Til You Get Enough”.

Aos 84 anos, Jones mantém-se em atividade no mundo da música e lançou recentemente um serviço de vídeo ‘streaming’ especializado em Jazz.

Noutra entrevista recente que deu, à revista GQ, o produtor também causou polémica, ao afirmar que tem 22 companheiras em todo o mundo, fala 26 línguas e fez um tratamento na Suécia que lhe permitirá viver até aos 110 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Emprego

Em casa de Ferraz, competitividade de pau

Luís Aguiar-Conraria

Declarações como as de Ferraz da Costa, do Fórum para a Competitividade, dão a entender que uma parte dos empresários continua viciada em baixos salários. Estava na altura de serem mais competitivos.

Startups

Foguetório empresarial

Maria João Marques

Não há nada que irrite mais o português médio que o arrojo e a ousadia alheia. O atrevimento, as ambiciosas ideias de uns têm o condão de iluminar o conformismo dos restantes, o que ninguém leva a bem

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site